Arquivo mensal: março de 2015

Um roteiro para começar registro e planejamento – parte 2

Planejamento Registro e Reflexão

Na primeira parte desse post abordamos o olhar para o Registro. Pensamos num roteiro para orientar a percepção do que registrar durante o desenvolvimento das propostas:

  • perceber o grupo no coletivo
  • olhar as crianças individualmente
  • notar o aproveitamento de espaços e materiais
  • identificar as pesquisas, interesses e contribuições das crianças

Propomos o desafio de experimentar seguir o roteiro e realizar anotações sobre as atividades que o professor já tivesse planejado.  Continue lendo..

Postado em Registros e Documentação | Tags , , , , , | 2 Comentários

Um roteiro para começar registro e planejamento – parte 1

Registro e Planejamento na Educação Infantil: esse é um assunto que não se esgota!

Experimente o Olhar - Registro na Educação Infantil

A infância tem seus ritmos. Que oscilam como as fantasias de um faz de conta. Reconhecemos as potencialidades das crianças e sabemos que podemos ampliar seus repertórios culturais, contribuir com o aprofundamento de suas pesquisas e trazer para a creche muitos conteúdos e experiências…

…mas quais?

Quando? Em que momento podemos ou devemos intervir?

Qual a dimensão daquilo que podemos considerar “currículo” de trabalho na infância?

Essas perguntas já foram feitas, respondidas e refeitas. Ainda assim, a prática do dia a dia parece se impor às demandas e aos projetos inspirados nos interesses dos pequenos. Aí professores e turmas são atropelados pelos horários determinados, arrumações, limpezas de sala e uma logística de materiais que prevê antecipação.

E assim… bate aquela sensação de frustração. Porque somos cuidadores e professores! Reconhecemos que as crianças aprendem em todas as situações e momentos da rotina, mas queremos ir além e trazer mais conteúdos culturais e de interesse para a turma. Quando não conseguimos viabilizar esse tipo de trabalho nos sentimos frustrados e abatidos.

Se você acompanhou até aqui essa trajetória de pensamentos, já percorreu uma trilha de reflexões. Isso representa empenho para buscar novas formas de olhar e, consequentemente, de pensar a sua Rotina.

Num post publicado em duas partes vamos sugerir um roteiro para guiar a ação de registrar e refletir sobre as atividades que você já planejou e ainda não desenvolveu. É começar pelos REGISTROS, isso mesmo! Sem mudar nada do que você vem fazendo, por enquanto. É passar a registrar o seu dia a dia com as crianças, porque … Continue lendo..

Postado em Registros e Documentação | Tags , , , , , | 19 Comentários

Rosa Iavelberg: o processo de aprendizagem do desenho na infância

Rosa Iavelberg, educadora, autora do livro Desenho na Educação Infantil fala sobre o novo olhar para o processo de aprendizagem do desenho na infância. 

Crianças CEI NT

 Rosa, são muito difundidos os estudos sobre as fases do processo de desenho na infância. Há um novo olhar para este processo?

Desenhar não é uma questão de dom. O desenho praticado desde a Educação Infantil pode abrir um mundo novo de experiências simbólicas que expandem a imaginação, a expressão e a capacidade criadora.

O que move a criança a desenhar é sua interação com os próprios desenhos e a sua diversidade presente nos ambientes. Hoje não se compreende mais o desenho da criança passando por fases de desenvolvimento de modo espontâneo e sim, que todos os alunos podem aprender a desenhar com orientação didática adequada sem ter medo de criar. Continue lendo..

Postado em Campos de Experiências, Linguagens Expressivas, Palavra de... especialista | Tags , , , , | 17 Comentários

Diálogos sobre relações: famílias e creches unidas na educação III

As pedagogas Tânia Fukemann Landau e Lena Bartman Marko escreveram diálogos sobre as relações envolvidas no ambiente das creches e instituições de educação. São sete capítulos para refletir e inspirar as ações dessa delicada relação e as possibilidades de construir um ambiente favorável ao desenvolvimento e educação das crianças e das comunidades abrangidas pela instituição.

3. APROFUNDANDO O DIÁLOGO

gêmeos

Nas conversas com os pais e familiares é preciso deixar claros os objetivos e cultura institucional. É possível concordar ou discordar dos pais, podendo acatar ou não suas sugestões, buscando sempre fundamentar e esclarecer nossas decisões. Os pais também têm o direito de argumentar frente aos encaminhamentos institucionais. O importante é lembrar que todas as atitudes adotadas devem ser pautadas no que é melhor para as crianças e a coletividade escolar. E devem dar espaços para que caibam individualidades e singularidades neste coletivo. Continue lendo..

Postado em Coordenador e Gestor | Tags , , , , | Clique para deixar um comentário!

Um olhar sensível na prática com a primeiríssima infância.

Tempo de Creche apresenta mais um curso sobre a Abordagem Pikler-Lóczy. A pedagoga Marcela Chanan estará ministrando a partir de 23 de maio o curso Um olhar sensível na prática com a primeiríssima infância, com foco nos bebês de 0 a 3 anos.

Devemos ser conscientes da importância que reveste a educação de bebês e crianças pequenas, da influência que esta educação terá sobre toda sua vida.
Emmi Pikler.

 

A escola tem grande importância no desenvolvimento das crianças, quanto mais experiências positivas puderem viver, mais impactos positivos terão no seu desenvolvimento, e é essencial oferecer vivências tanto educacionais, quanto sociais. Somente uma educação de qualidade pode oferecer um desenvolvimento apropriado e saudável aos pequenos.

Boneca Marioska

Nesse sentido, a abordagem Pikler-Lóczy contribui com sua prática focada no desenvolvimento sadio da primeira infância, considerando a importância dos cuidados corporais, a motricidade livre, a autonomia, o vínculo com o adulto, as iniciativas da criança, a interação entre os bebês, a rotina, o espaço, os materiais para brincar, a observação e o registro.  Promovendo um olhar mais sensível em relação a maneira como vemos e atuamos com os bebês e as crianças pequenas. São nos detalhes como, por exemplo, a forma de pegar a criança, trocar, alimentar, interagir e se comunicar que se faz a diferença para construção de um indivíduo seguro e confiante.

Público-alvo

  • Professores de Educação Infantil, estudantes e interessados.

Conteúdo

  •  Os cuidados corporais e o vínculo com o adulto
  •  A liberdade de movimento corporal
  •  A criança capaz
  •  Rotina segura
  •  Interação e conflitos
  •  O espaço e os materiais para brincar
  •   Observação e registro

*Boneca Matrioska – A boneca russa Matryoshka (Matrioshka), também conhecida como Mamushka ou “boneca russa” na verdade é um conjunto de bonecas ocas de tamanhos decrescentes colocadas uma dentro de outra. O nome “Matryoshka” é proveniente do nome real feminino russo “Matryona”, que era um nome muito popular entre camponeses na Rússia antiga. Dizem também, que o nome “Matryona” possui a raiz latina, “mater”, que significa “Mãe”. Portanto, para muitos esta boneca simboliza maternidade e fertilidade. 
http://www.e-familynet.com/phpbb/matrioskas-bonecas-russas-simbolo-da-fertlidade-t274097.html

balc3a3o-dicaVisite o blog da Rede Pikler-Loczy 

 

barrinha colorida fininha

 

Balão Para Saber MaisLocal – Espaço Trilhar
Endereço – Rua Alferes Magalhães, 95, conj. 74, Santana, SP
Início – 23 de maio de 2015
Horário – das 9h às 13h
Inscrição – espacotrilhar@espacotrilhar.com.br
Valor – R$ 130,00 (consulte desconto para grupos)
 
 
barrinha colorida fininha
 
 

Foto de Marcela ChananMarcela Chanan

Pedagoga, trabalha há 10 anos com educação infantil e 1º ano do fundamental I. Pós-graduada em Língua Portuguesa e Literatura (Mackenzie), e formada para atuar com Crianças de 0 a 3 anos (Singularidades). Estuda as abordagens de Reggio Emilia e Pikler-Lóczy no Brasil e fora do país. Também é formada pela Escola Panamericana de Arte, pelo Teatro Escola Macunaíma e pelo Instituto Brincante.

 

Postado em Acontece | Tags , , , | 2 Comentários

Diálogos sobre relações: famílias e creches unidas na educação II

As pedagogas Tânia Fukemann Landau e Lena Bartman Marko escreveram diálogos sobre as relações envolvidas no ambiente das creches e instituições de educação. São sete capítulos para refletir e inspirar as ações dessa delicada relação e as possibilidades de construir um ambiente favorável ao desenvolvimento e educação das crianças e das comunidades abrangidas pela instituição.

2. CRECHES E FAMÍLIAS: UMA PARCERIA DE ESCUTA

Entender a escola como ambiente de desenvolvimento infantil traz uma nova lente para educadores e famílias. Ambos nutrem expectativas em relação ao outro que, muitas vezes, são contraditórias. Algumas situações exigem um bom diálogo e uma dose de trabalho e disponibilidade para esclarecer à comunidade a função educativa da creche, para trocar opiniões, negociar e buscar soluções conjuntas e inovadoras para este atual formato de atendimento às crianças. Isto implica aceitar que qualquer criança pode frequentar a creche, não importa a razão pela qual seus pais optaram por isto. Parece muito simples esta proposição, mas compreendê-la significa aceitar, por exemplo, que uma mãe ou um pai deixe seu filho lá seja para passear, descansar ou procurar um trabalho. Isto é do âmbito particular e peculiar e não cabe à escola avaliar as dinâmicas e escolhas familiares.

Obras

 

A creche é uma instituição que recebe famílias dos mais diferentes estilos, religiões e culturas domésticas. Os diferentes modos de pensar e agir em relação às crianças geram conflitos que são inevitáveis e inerentes às relações humanas. Seria utópico (ideal, impossível) pensarmos em uma relação da creche com as famílias livre de contradições e atritos. Apesar dos esforços dos educadores para manter um bom relacionamento com as famílias, ainda é evidente as dificuldades de enfrentar os confrontos que são característicos das relações. Ao invés de tentarmos eliminar os conflitos ou abafá-los, precisamos enfrentá-los com humildade e flexibilidade. Isto só é possível por meio de uma escuta aberta, respeitosa e verdadeira para com os pais e responsáveis.

Mas como fazer isto? Continue lendo..

Postado em Coordenador e Gestor | Tags , , , , | 1 Comentário

Diálogos sobre relações: famílias e creches unidas na educação I

As relações humanas são tão naturais que acontecem mesmo que não se troque nenhuma palavra. O ser humano é todo relação: qualquer sensação que detectamos a partir de outros seres humanos, nos provoca emoção e estabelece relações. Passamos informações através do nosso rosto, da roupa que usamos, do cheiro, da postura e obviamente das palavras. E, com essa bagagem, travamos as nossas relações.

Para o filósofo Vilém Flusser* as diferenças fazem parte da existência humana e ajudam a gerar mais conhecimento. Nesse contexto, as pedagogas Tania Fukemann Landau e Lena Bartman Marko escreveram diálogos sobre as relações envolvidas no ambiente das creches e instituições de educação. São sete capítulos para refletir e inspirar as ações dessa delicada relação e as possibilidades de construir um ambiente favorável ao desenvolvimento e educação das crianças e das comunidades abrangidas pela instituição. 

1. CONSTRUINDO DIÁLOGO E APOIO ENTRE FAMÍLIA E CRECHE

Quando uma criança entra na escola ela vem com o “pacote inteiro” – traz consigo uma história, uma família e um modo peculiar de ser, viver e se relacionar que vem ancorado na sua experiência pessoal e doméstica, pois cada indivíduo e cada família é de um jeito, tem seus hábitos, tradições e costumes.

Tarsila do Amaral

 

De modo geral, a família se alterou. Avós, tios e vizinhos não tem mais composto a vida cotidiana do arranjo familiar, assim, os espaços de troca e convívio tornaram-se escassos e os pais não sabem muito com quem podem contar em caso de necessidade, quando precisam de apoio ou de algum esclarecimento para suas dúvidas e incertezas. A correria do dia a dia invadiu as casas e transformou a relação com os filhos. Continue lendo..

Postado em Coordenador e Gestor | Tags , , , , , , | 5 Comentários

Adaptação em processo: você já é o brinquedo favorito das suas crianças?

Professor, o choro de algumas crianças ainda “contamina” as outras do grupo e você não sabe mais o que fazer? …

Imagem crianças post você é o brinquedo

Com praticamente um mês de trabalho na Educação Infantil, muitas turmas ainda têm crianças que choram (porque essa é a forma que utilizam para expressar suas angústias!), outras que encontram maior dificuldade para se integrarem e parece que não chegam à creche com o ânimo e vontade que certamente ocorrerá ao longo do ano. Essa situação que parece fora de hora (afinal já se passou tanto tempo!) e causa ansiedade porque você, como professor, não consegue planejar propostas de atividades com a certeza de que vai contar com a adesão do grupo, pode ser pensada de outra maneira?

Balão Dúvida pMas essa maneira deve ser o X da questão! Então, quais são os objetivos do planejamento das propostas para abordarmos essa situação?

O objetivo principal nesse momento é a construção do seu vínculo com a turma. Você deve ser o centro desse relacionamento focado em cada criança individualmente. Nessa fase, é você com o Pedro e o Pedro com você; você com Maria e a Maria com você; você com o João e o João com você … e o elo que une essas relações baseia-se na seguinte questão: Continue lendo..

Postado em Desenvolvimento Infantil, Postura do Professor | Tags , , , | Clique para deixar um comentário!