Arquivo mensal: julho 2019

Dúvida da leitora: como trabalhar com crianças que não participam das atividades?

A leitora Maria do Rio Grande do Norte nos envia uma dúvida comum a diversos professores da educação infantil: como fazer um planejamento sair do papel e se transformar em realidade? Como lidar com a não adesão das crianças às atividades propostas, fugindo às expectativas do professor? Qual o ponto de equilíbrio entre engajamento, autonomia e brincadeira durante uma atividade? Ao acreditar que estes questionamentos são compartilhados por outros leitores, pedimos permissão para a Maria e publicamos sua história com o Tempo de Creche.

Olá meu nome é Maria.
Estou com 18 crianças de 2 anos e tenho passado por uns apertos de enlouquecer. O que tenho planejado não tenho conseguido executar. É tanto sobe e desce… vem pra cá… olha a surpresa… não faça isso… aí não… não abre isso… saia daí… que fica estressante e sufocante para todos nós. Tenho a consciência de que são crianças pequenas, curiosas, mas apresentam uma teimosia infinita.
Ao final do dia estamos exaustas e frustradas, pois nada (ou pouco) do que foi planejado conseguiu sair do papel. O que fazer para construir junto com essa turma, uma rotina mais tranquila sem podar o interesse e a curiosidade inerentes a idade, sem perder o brilho tão lindo que existe no olhar?
Aguardo um conselho.
Maria, professora de uma Escola de Educação Infantil do Rio Grande do Norte

Ao ler a postagem Como dizer NÃO para crianças pequenas? a leitora desabafa contando que está com 18 crianças de 2 anos e tem ‘passado por uns apertos de enlouquecer’.

Maria das Graças, professora em Parnamirim – RN, conheceu o Tempo de Creche Educação por meio de um dos nossos textos sobre a BNCC, entregue por uma colega. Diz ela que, desde então, acompanha de perto as publicações do blog e que os artigos e entrevistas têm sido valiosos para a sua prática.  😛

Na intenção de contribuir com a reflexão sobre as angústias e preocupações apontadas pela leitora, organizamos esta postagem.

No seu comentário, a Maria nos indica um ótimo caminho para planejar propostas e ficar satisfeita com os resultados: construir junto com essa turma, uma rotina mais tranquila sem podar o interesse e a curiosidade inerentes a idade.
Mas como fazer isso?
Tudo parte do que já se tornou um clichê da prática pedagógica, mas que ainda é mal compreendido: observação, escuta e registro. Não há outro caminho para não podar o interesse e a curiosidade das crianças, como afirma a leitora.

O problema é que assumimos que conhecemos os interesses das crianças, sem nos atermos aos fatos. Sim, FATOS, como aqueles identificados pelos investigadores. Temos o costume de acreditar que podemos intuir sobre os sentimentos e opiniões dos outros. Isso é automático e natural, só que não funciona.

É preciso identificar o que nos leva a pensar nisso ou naquilo. Nesse sentido, o registro das observações e da escuta das crianças cumpre seu papel de ajudar na identificação dos fatos.

Continue lendo..

Postado em Postura do Professor, Registros e Documentação | Tags , , , , , | 1 Comentário

E.V.A.: o pai do papel crepom?

Lucila da Silva Almeida, parceira do Tempo de Creche e coautora do livro Práticas Comentadas para Inspirar, faz um desabafo de formadora: será que o EVA veio para substituir o ultrapassado papel crepom?

Reflexões e questionamentos da Lucila para os leitores do Tempo de Creche:

Já faz um tempo que me incomodo com o excesso de “decorações” feitas de E.V.A. observadas em muitas das instituições de educação que frequento, Educação infantil e Ensino Fundamental.

São enfeites que ocupam todos os espaços: banheiros, murais de aviso, murais coletivos, títulos de cartazes (como nos quadro de nomes), calendário, tabela de números ou  abecedários, cantinhos de leitura. Já cheguei a ver enfeites de E.V.A. até na área externa!

Os estilos decorativos são variados, com peças compradas prontas de personagens de desenhos animados ou dos clássicos Monica e Cebolinha vestidos a caráter para Festa Junina. Há também professores que se desdobram utilizando réguas e moldes com letras do alfabeto para escrever tudo o que se imagine em E.V.A. É uma verdadeira febre! É quase um critério para “ser professor”, assim como a pasta de modelos de atividade que as alunas dos antigos cursos de Magistério tinham que compor.

Eu particularmente chamo o E.V.A. de “pai do papel crepom”. Os professores mais velhos certamente se lembram do tempo despendido para fazer as inúmeras bolinhas de papel crepom usadas para completar as atividades inacabadas dos alunos, que rapidamente se cansavam da tarefa. Eu já fiz muita bolinha de papel crepom, quando era criança e estudava no antigo “Prézinho” e, depois, quando fui coordenadora pedagógica de Creche e precisava ajudar as professoras às vésperas das reuniões de pais.

Por sorte, durante meu processo de formação,  acabei descobrindo que Educação Infantil era muito mais potente do que apenas uma etapa preparatória para a etapa posterior do ensino. Percebi que precisava conhecer a criança de hoje, do tempo real e não me ater somente a propostas que visavam a aquisição da coordenação motora fina e ampla. Até porque essa aquisição era muito mais presente e consistente nos momentos menos monótonos e mais interessantes.

Enfim, embora as benditas bolinhas de papel crepom tenham deixado minha vida e por sorte a de muitas crianças e professores, elas ainda são práticas recorrentes em algumas instituições.

O papel crepom foi sumindo aos poucos, mas como o mercado de material “pedagógico” persiste e precisa vender, o E.V.A. assumiu  esse lugar. Hoje em dia há folhas de E.V.A. de todas as cores, desenhos e alguns até com gliter!

Contudo, sem entrar no mérito da beleza, questiono: por que os professores insistem em sobrepor modelos estereotipados às marcas das crianças? Por que as produções das crianças são desvalorizadas e minadas pela prática da “decoração” feita pelos professores? Por que utilizar referenciais homogêneos ao invés de abrir espaços à diversidade das produções das crianças e garantir a identidade de cada instituição?

Continue lendo..

Postado em Palavra de... especialista, Tempo, Espaço e Materiais | Tags , , , , , | 3 Comentários

Garimpando projetos: reflexões e conversa com Maria da Graça Souza Horn

Conversamos com a doutora em Educação, Maria da Graça Souza Horn para pensar sobre projetos na educação infantil. Acompanhe os esclarecimentos da educadora e as nossas reflexões para começar o período letivo com novas ideias.

Chegamos ao segundo semestre e os temas para os projetos ainda podem trazer dúvidas para os professores. Projetos não são simples! Projetos são complexos em qualquer situação.

Não quero complicar o que já parece complicado, mas na educação infantil os projetos também têm seu grau de complexidade e preveem o envolvimento de diversas áreas.

Para planejar um projeto para crianças pequenas não basta sortear um tema ou tirar uma ideia da cartola! Porque o projeto simplesmente tem que pertencer a todos os envolvidos. Adianta o governo desenvolver um projeto de vacinação sem contar com o interesse da população? Então… com as crianças é a mesma coisa!

Perguntamos para a Maria da Graça, por que é preciso pegar pistas com as crianças para trabalhar com projetos?

Maria da Graça explica: eu faço uma analogia com garimpo. Garimpar é a gente ir buscado, pegando. Porque as pistas são tão importantes? Se a gente trabalha numa perspectiva de currículo narrativo, a narração das crianças é que dão as pistas. Elas vão contando exatamente aquilo que elas querem aprender, aquilo que as inquieta.
O que é importante a gente fazer? É importante a gente prestar atenção ao que as crianças dizem, falam, como elas brincam… A partir daí eu posso pinçar, garimpar neste universo, o que naquele momento está sendo significativo para o grupo. Para isto acontecer, eu tenho que desenvolver uma capacidade muito aguçada de observar, escutar e registrar.

Vamos pensar na questão prática. Se eu preciso escutar as crianças para criar uma narrativa de projeto, é possível estabelecer um tema no início do semestre?
Respondo que não!
Estamos para iniciar um novo período e você teve alguns meses de trabalho com seu grupo. Procure responder as seguintes perguntas:

  • O que as crianças gostaram de fazer?
  • Sobre o que elas fizeram perguntas?
  • O que as intrigou?
  • O que elas comentaram?
  • Por quais histórias são apaixonadas?
  • Como são as brincadeiras na área externa?
  • Quais assuntos são conversados?

Se você respondeu a todos estes questionamentos e ainda não pinçou conteúdos de interesse do grupo, pode pensar: e se não surgirem questionamentos, interesses claros ou perguntas das crianças que possam gerar hipóteses e pesquisas?

Nestes casos o professor pode propor. Ele pode apresentar algo interessante para o grupo e fazer uma escuta atenta das colocações para avaliar a curiosidade das crianças. Pode também fazer uma seleção de histórias, reportagens, documentários, livros e apresentar materiais e elementos da natureza para “garimpar” possibilidades. É aproveitar a hora da roda e das intervenções durante as brincadeiras para jogar sementes de provocação, fazer a escuta e avaliar os interesses.

Mas o oposto também pode acontecer quando um tema cativa as crianças de tal modo que seus questionamentos e investigações não se exaurem num semestre. No CEI Aníbal Difrancia (SP), a turma 3 a 4 anos da professora Cátia ainda não esgotou sua pesquisa sobre dinossauros. O que no início pareceu coisa de “livrinho de história do canto de leitura” avançou para uma investigação científica. A professora admite que tinha outras ideias para o projeto do primeiro semestre mas, ao permitir que as crianças colocassem seus interesses, percebeu que deveria deixar a Paleontologia envolver o grupo e a si própria.

Continue lendo..

Postado em Palavra de... especialista, Postura do Professor | Tags , , , | Clique para deixar um comentário!