Categoria: Planejamentos e Atividades

Remexendo no planejamento e no registro pedagógico

Planejamento e Registro são instrumentos valiosos e fundamentais da prática pedagógica que precisam ser cutucados e repensados de tempos em tempos. Elaboramos um percurso de palavras e conceitos que estruturam bons planejamentos e registros consistentes, para movimentar e provocar reflexões e até novas experiências de registrar e planejar.

Para começar…

Pensar no cabeçalho. É preciso formalismo e disciplina para organizar e sistematizar as informações. Costumamos acreditar que a memória dá conta de tudo, “que nunca esqueceremos aquele fato” e “que poderemos explicar melhor quando alguém tiver dúvida”!  Mas não é assim. Porque vamos acumulando um grande número de “fatos inesquecíveis”, não somos um banco de memórias e nem sempre estaremos próximos de quem pode ler e se alimentar dos nossos registros. Assim, é importante anotar as informações básicas do planejamento e do registro: professor, turma, data, nome da atividade e projeto (se for o caso).

Em seguida, detalhar o espaço, os materiais e a organização dos mesmos. Já abordamos em diversas postagens a importância do Espaço Propositor para as experiências das crianças, portanto, detalhar o planejamento da arrumação do espaço é fundamental para orientar o professor no momento de colocar em prática a proposta. Também é importante registrar como o espaço organizado influenciou o desenvolvimento da atividade para ter novas ideias.

Esse bloco de informações se encerra com o fator tempo. No planejamento, o tempo é uma hipótese a ser calculada:
Qual o melhor momento do dia para propor a atividade? 
Quando as crianças estão no clima da proposta pensada pelo professor?

De acordo com a experiência do professor, quando ela deve ser implementada de modo a garantir que as crianças tenham tempo suficiente para brincar, pensar, experimentar e finalizar as pesquisas?

Já no registro, o tempo entra como fator a ser avaliado. O momento da atividade foi bem escolhido? Foi propício para as crianças “entrarem no clima”? A duração da proposta ocorreu como o previsto? As crianças queriam continuar na atividade mas a rotina do dia impediu as experiências? Ou as brincadeiras se encerraram antes da previsão do professor e essa questão precisa ser repensada?

No planejamento…

Planejamento de atividade

É a vez dos objetivos. O que o professor espera que as crianças façam? Pensar em verbos é o modo mais fácil de entender o que são os objetivos de aprendizagem e desenvolvimento elencos na Base Nacional Comum Curricular (BNCC):

Expressar; correr; pular; narrar; experimentar (materiais); classificar; riscar; desenhar; pintar; marcar; cantar; produzir sons; identificar; observar; pesquisar (de mil maneiras!); coordenar movimentos; se relacionar; compartilhar; identificar (mil objetos, conceitos e situações!)… e assim por diante! Uma infinidade de ações possíveis a partir das quais as crianças podem pesquisar, interagir, brincar, descobrir e aprender.

Mas… por que o professor pensou em trabalhar esses objetivos? O que o levou a esta direção? Transitar nesta seara é deixar de propor atividades porque “a atividade é legal” ou porque “as crianças vão gostar” ou ainda “porque vi na internet/na sala ao lado e a turma adorou”. As propostas do professor devem estar relacionadas a outras questões como:

  • Vou aprofundar uma pesquisa que já começou;
  • Surgiu um desejo entre as crianças;
  • Os pequenos ficaram interessados em descobrir;
  • Percebi uma necessidade específica (desenvolver uma habilidade, trabalhar as relações e emoções, abordar a diversidade etc…);
  • Trabalhar um aspecto da cultura da escola/comunidade.

São diversas explicações possíveis que permitem justificar trilhas de aprendizagem.

A partir desta reflexão, os objetivos conduzem o professor a planejar a postura mediadora a ser colocada em prática durante a proposta. Não basta apresentar materiais e espaços incríveis para garantir aprendizagens complexas e profundas! O professor tem conhecimento-preparo para olhar-escutar e perceber-intervir para ampliar-aprofundar as pesquisas das crianças e, consequentemente suas aprendizagens. As estratégias de intervenção (também já falamos sobre isso em outras postagens) são imprescindíveis para que as crianças sejam desafiadas a resolver problemas e querer conhecer e saber mais. É pensar em estratégias para instigar e colocar sugestões sutis, propostas de desafios e ampliação de repertório.

A pesquisadora e educadora Gisela Wajskop afirma que ao brincar a criança é autora de suas ações, “elaborando e colocando em prática suas fantasias e conhecimentos, sem a intervenção direta do adulto, podendo experimentar um pensar e solucionar problemas de forma livre das pressões”.  Porém, Gisela destaca que, quando o professor não enriquece e apenas contempla as brincadeiras das crianças, favorece aquilo que elas já sabem ou vêm brincando repetidas vezes em casa e com os colegas da escola. Existe um limite muito delicado entre interferir mudando totalmente os percursos criativos e investigativos das crianças, e fazer intervenções e sugestões sutis para ampliar e enriquecer as brincadeiras e propor novos desafios. Com isso, respeitar a autonomia não quer dizer “abandonar as crianças ao Deus dará” e só cuidar. A autonomia está relacionada às escolhas dentro de um ambiente enriquecido de possibilidades e desafios “magicamente” propostos pelo adulto.

No registro…

Professoras fazendo registro

O registro da atividade deve expressar o que foi vivido, do ponto de vista das crianças e dos saberes do professor. Especialmente, o registro é a memória das experiências de aprendizagem das crianças e da docência. Desse modo, as anotações e as imagens devem revelar questões muito além do simples fato de comprovar que uma atividade foi realizada e as “crianças aproveitaram bastante”!

Professora fazendo registroUm bom registro não é genérico, ele deve privilegiar os detalhes. Além de abordar como os materiais, a organização do espaço e do tempo influenciaram na proposta, é preciso apontar as experiências interessantes, as descobertas e dificuldades das crianças, as emoções que dominaram as brincadeiras, as intervenções que surtiram efeitos positivos e as que precisam ser repensadas. Situações como essas transformam o registro num instrumento valioso para o professor aprender com a própria prática, se aperfeiçoar, discutir com seus colegas e, especialmente, construir com fluidez as trilhas de aprendizagem das crianças. Definitivamente, ou o registro alimenta as práticas dos professores, ou ele é mero instrumento de prestação de contas.

A educadora Stela Barbieri defende que é importante considerar a reflexão e o registro na prática pedagógica: “escrever, estudar e documentar o próprio trabalho, para depois poder olhar com distanciamento e aprender com ele. Aprender com o que as crianças dizem, querem, sentem, percebem”.

Tópicos para planejar e registrar col

Cada um dos aspectos do planejamento e dos registro pedagógico estão detalhados no livro Educação Infantil: um mundo de janelas abertas, além de tabelas e percursos para o professor elaborar e organizar seus instrumentos metodológicos. Algumas tabelas estarão disponíveis na área de assinantes do blog Tempo de Creche. Se você ainda não se cadastrou, cadastre-se gratuitamente para fazer o download desses instrumentos: Tabela para Pauta do Olhar 1; Tabela para Pauta do Olha 2; Roteiro de Planejamento.

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

PARA SABER MAIS…

Leia mais sobre Planejamento e Registro Pedagógico nas postagens:
O que planejar… alguma sugestão?
Organização de propostas: garantia de brincadeira e aprendizado
O ritmo das crianças e a ansiedade do professor
Um roteiro para começar registro e planejamento – parte 1
Um roteiro para começar registro e planejamento – parte 2

Bibliografia
BARBIERI, S. Interações: onde está a arte na infância? São Paulo: Blücher, 2012.
WAJSKOP, G. O brincar – 0 aos 6 anos. Editora Didática Suplegraf, 2009.

Postado em Planejamentos e Atividades, Registros e Documentação | Tags , , , | 1 Comentário

10 sugestões de materiais e brincadeiras para a hora do parque

Existem brincadeiras de parque e BRINCADEIRAS DE PARQUE!
Quem não lembra do prazer e da alegria de brincar na praça e no parquinho da escola? Só de tocar no assunto nosso corpo é preenchido por um conjunto de sensações: liberdade, exploração, desafio, criação, encontro com colegas, sol, vento…  e descobertas. Sim, esse último ingrediente apimentava as brincadeiras e as nossas lembranças. As novidades e a interação com os colegas nos faziam pensar em outras possibilidades e mudavam o curso das brincadeiras da hora do parque. Nestes momentos, a brincadeira desafia o raciocínio, a criatividade e as relações.

Por isso, quando dizemos com tranquilidade “as crianças saíram para o parque e estão brincando e aprendendo”, é preciso entender a qualidade dessas brincadeiras e, consequentemente, das aprendizagens.

Novos elementos e intervenções conferem complexidade à brincadeira. Por isso, a hora do parque, assim como todas as outras horas “rotineiras” de brincadeira, precisam ser observadas e pensadas pelo professor.

Imagine o seguinte: como reage uma criança quando apresentada a um novo material? Ela explora, pesquisa, inventa possibilidades, mostra para os colegas e brinca. Se fizermos isso todo dia com o mesmo material, certamente o tempo de envolvimento e as invenções vão diminuir, até que a criança se desinteresse por completo.

Por mais que o parque seja em si um ambiente grande e repleto de possibilidades, novas provocações representam combustível para as brincadeiras.

Isso não quer dizer que é preciso dirigir o brincar! Mas é preciso intervir com provocações. As crianças são movidas por novos desafios, mas têm a liberdade de aceitar ou recusar o “convite” deixado sutilmente pelo professor.

Preparamos um repertório de sugestões para apimentar a hora do parque. No momento em que o professor compreender os interesses e as demandas de sua turma, o céu é o limite para inventar outras possibilidades!

                   

INTERVENÇÕES PARA A HORA DO PARQUE

1- Espaço transformado

Um tecido estendido no trepa-trepa, uma corda amarrada para dividir o espaço, uma cabana, algumas caixas e caixotes. A simples introdução de um destes elementos transformadores já é suficiente para modificar o espaço e as narrativas das brincadeiras.

cabanas de tecido no parque

2- Circuitos e labirintos

Preparar circuitos ou construí-los com a ajuda da turma. Pneus, bambolês, caixas firmes, cadeiras, bancos, cordas e garrafas pet cheias de água ou areia, podem marcar os espaços e desafiar o corpo a “pensar” para se deslocar. Em muitas instituições, existe um verdadeiro arsenal de objetos construídos pelos professores e pelas famílias para compor os circuitos: pontes, escadinhas, rampas, tuneis, cubos vazios feitos com canos de PVC ou com madeira. Este material vale o investimento e o cuidado para armazenar.

cordas no parque

3- Grandes construções

Materiais volumosos e robustos podem provocar construções grandes e complexas: caixas de leite e de molho de tomate, recheadas com jornal amassado e revestidas com papel kraft, se transformam em tijolos. Pedaços de tábuas e chapas de madeira enriquecem as construções. Caixotes e caixas rígidas, embalagens cilíndricas de papelão utilizadas na indústria e grandes carreteis ampliam as possibilidades. O simples manuseio destes objetos convoca conjuntos musculares e percepção espacial raramente exercitados nas atividades realizadas em sala. Também desperta para a colaboração, uma vez que, para mover e transportar os objetos grandes, é preciso contar com a ajuda dos colegas.

construções no parque

4- Trilhas no chão

Usar o giz de lousa para riscar “ruas” e percursos no chão é uma alternativa à transformação do espaço. As linhas induzem os pequenos a usarem o espaço de diferentes maneiras, criando novos caminhos e aventuras. A fita crepe também pode ser usada para demarcar o chão.

brincadeira de pista

segurador de placaPode-se desenhar diferentes circuitos e deixar que as crianças brinquem somente com o corpo. Em outra ocasião, se a escola tiver as motocas, carrinhos ou bicicletas, introduzi-las na brincadeira. Para os maiores, as “ruas e construções da cidade” podem ter nomes. É interessante criar placas para as ruas e locais que podem ser afixadas em cabos de vassoura ou galhos enfiados em garrafas pet cheias de areia. As placas podem ter desenhos, letras e até palavras, escritas pelo professor ou pelas crianças. Uma ótima oportunidade para trabalhar o letramento.

5- Brincadeiras que desafiam controle e equilíbrio

Atravessar o parque com cuidado para não derramar a água de um copo, caminhar segurando um prato com uma bolinha ou um livro na cabeça, são brincadeiras divertidas que convocam o controle do corpo e da mente. É possível combinar as brincadeiras de equilíbrio com as trilhas riscadas no chão.

6- Brincadeiras de caça ao tesouro e de encontrar objetos

As crianças se acostumam aos elementos do parque e, quando algo novo surge, percebem o que é diferente ou o que está “fora de lugar”. Que tal esconder objetos que não pertençam ao contexto do parque e pedir que os encontrem? Uma camiseta velha, um brinquedo da sala, uma revista, um desenho feito pelos pequenos, fotografias, sandalinhas, pelúcias, embalagens de xampu e outros cosméticos, vassouras, cobertas… pense no contexto da escola e invente suas próprias alternativas. Preparar algumas perguntas amplia o desafio: quem será que escondeu tudo isso? Por que esse material não deveria estar aqui? Por que deixaram esse objeto aqui? Onde esse objeto deve ser guardado?

7- Brincadeiras para os dias de sol e calor…

…para cuidar do espaço e brincar de faxinar: lavar os brinquedos do parque (balanços, escorregador, trepa-trepa, chão, paredes) e os brinquedos utilizados no tanque de areia.

8- Para os dias de chuva…

…que tal colocar alguns recipientes na área externa para coletar a água da chuva? Vamos ver quanta água caiu do céu na bacia? Será que encheu o copinho? Que tal marcar o volume de água com uma caneta e comparar com outros dias de chuva? Este pode ser o início de uma pesquisa sobre o clima!

9- Ciências e brincadeira

balança improvisadaPesquisar o peso de diferentes objetos com cordas ou com uma balança improvisada. Investigar o que flutua e o que afunda em bacias e baldes com água. Descobrir a anatomia de flores, folhas, caules, frutos e sementes. A área externa, em especial os jardins, podem despertar investigações científicas. É só uma questão de intenção do professor para estar atento às novidades que a natureza oferece, chamar a atenção das crianças e convida-las a pesquisar: uma nova flor, uma semente encontrada no chão, a chegada de um inseto, uma lagartixa e a visita de um sapo. O professor pode despertar o interesse com perguntas e permitir que os pequenos continuem a investigação com autonomia.

 

10- Sons

megafone de papelAlgumas escolas têm parques sonoros instalados nas áreas externas. As crianças sempre dão uma passadinha para brincar e produzir sons. Mas é possível ampliar essa pesquisa buscando outras possiblidades sonoras. Qual o som dos tubos da estrutura do trepa-trepa? E do balaço? E do tronco da árvore? Colheres de pau e pedaços de cabo de vassoura podem fazer as vezes das baquetas.

A própria voz também promove investigação sonora. Que tal construir megafones com cartolina e sair gritando por aí? Os velhos “telefones” feitos com barbantes, mangueiras, copinhos e latinhas favorecem brincadeiras divertidas e interessantes.

TelefoneLata-300x225

Estas 10 sugestões demandam do professor diferentes níveis de intervenção e envolvimento na condução da proposta. É só uma questão de refletir sobre as informações colhidas nas próprias brincadeiras das crianças e pensar em estratégias para contribuir.

Em geral, simples atitudes transformam e apimentam as brincadeiras. Uma boneca levada para a área externa pode atender os anseios da brincadeira de casinha. No CEI Aníbal Difrancia, SP, uma menina descobriu um pequeno buraco no chão de terra do parque. Intrigada, começou a cavar e inspirou outros colegas a aumentarem o buraco com as próprias mãos. No dia seguinte, a professora levou pazinhas e colheres para ajudar na escavação. Depois, notou que a brincadeira tomou novos rumos e o desafio passou a ser o transporte da terra arenosa para o tanque de areia que se encontrava vazio. Assim, a professora providenciou potinhos e baldinhos para ajudar na coleta. Hoje o buraco está imenso e é um novo “brinquedo” do parque.

O importante é compreender que as crianças aprendem brincando, mas a qualidade das brincadeiras tem influência direta na qualidade das aprendizagens.

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

PARA SABER MAIS…

Leia mais sobre o brincar e a hora do parque nas postagens:

Postado em Brincar e Aprender, Planejamentos e Atividades | Tags , , , , , | 4 Comentários

Objetos potentes e elementos da natureza para brincar e aprender

Que as crianças precisam de natureza, ninguém duvida! Levar um pouco de natureza para a sala enriquece a pesquisa e a brincadeira com elementos potentes.
Acompanhe o trabalho da professora Neuza e da coordenadora Silvana do CEI Santa Marina, SP, com a turma de pequenos investigadores de três anos.

Atividade objetos potentes 3

As professoras de três creches de São Paulo estão pesquisando o envolvimento das crianças pequenas com “objetos potentes”, tema da formação que estamos desenvolvendo com o apoio do Impaes* neste semestre.

Objetos potentes são materiais que não vêm com “instrução de uso”. Eles desafiam a criança a mobilizar a criatividade e a imaginação para construir significados.

As sucatas são um bom exemplo dessa potência. Também as caixas que se prestam a uma infinidade de brincadeiras, os utensílios de cozinha, os tecidos e as folhas, flores e gravetos que se transformam em saborosas comidinhas.

Já os brinquedos prontos “prescrevem” um manuseio, indicam como podem ser usados e  limitam a criatividade.

No percurso da formação das equipes, a Neuza resolveu planejar uma sequência didática a partir do interesse da turma pelos tesouros encontrados no caminho do parque para a sala. Se os pequenos gostam de coletar, vamos trabalhar essa coleta!

Saíram para o parque munidos de sacolinhas e afinaram o olhar para encontrar elementos interessantes: pedras pequenas e grandes, lisas e ásperas, brancas e marrons; “pauzinhos” que foram chamados pelo nome de “gravetos” e galhos”; folhas verdes e amarelas, que sinalizam o outono; vagens; sementes e um “coração de bananeira” – uma raridade caída no chão do parque. Depois do exercício, parece que os olhos das crianças aprenderam a observar o caminho com cuidado e interesse: olha o que eu achei, prô!

As sacolas voltaram repletas para a sala e foram guardadas com cuidado para serem utilizadas em outra proposta.

No dia seguinte, com a ajuda da coordenadora Silvana, Neuza separou as lupas e os elementos coletados, classificando-os para dispor sobre as mesas colocadas no pátio ensolarado. Com a brincadeira arrumada, convidou as crianças que reconheceram o material.

Atividade objetos potentes 1

A organização do espaço propositor pareceu contar para os pequenos que era hora de observar e pesquisar os materiais de perto. Minuciosamente olharam através da lupa, ora mirando os materiais, ora mirando os colegas e as partes do corpo.

Atividade objetos potentes 2Uma menina examinava atentamente as pequenas pedrinhas de brita. Percebendo o esforço da colega, outra menina segurou a lupa sobre as pedrinhas para colaborar com a amiga. Uma formiguinha deu o ar da graça e foi seguida por alguns pequenos. Mas a grande sensação foi o “coração da bananeira”, manuseado e revirado por muitos interessados: cuidado! A prô disse que esse é o coração da árvore!

Até que um menino resolveu retirar as grandes pétalas dessa incrível flor e descobrir que ela abrigava bananas pequeninas. Que descoberta! Professora, coordenadora e crianças ficaram maravilhadas! Foram encontradas bananinhas em miniatura dentro da flor-coração. Posso comer? disse um dos pequenos. Neuza respondeu que banana verde pode ter gosto ruim. Mesmo com o cheiro de fruta verde, a tentação foi grande.

Atividade objetos potentes 4

A professora registrou os acontecimentos, as falas e descobertas das crianças em seu caderno, além das próprias descobertas com a prática. A coordenadora fotografou e filmou a atividade, procurando registrar os detalhes da organização dos espaços e materiais e também os momentos de pesquisa das crianças. Depois, refletiram em conjunto.

A natureza convidou crianças e educadores e mostrou um caminho frutífero para pesquisar… quem falou em “fruta”?
Ahhh! Fruta também faz parte desse universo natural e a equipe aproveitou os avanços das pesquisas das crianças para investigar as frutas do dia a dia.
Essa trilha está só começando… e fica para outra postagem!

PARA SABER MAIS…

 A prática comentada nesta postagem aconteceu no CEI Santa Marina, do Instituto Rogacionista, São Paulo. A professora é a Neuza Marlene da S. Avelar e a coordenadora é a Silvana Barbosa de Moura.

→ * O Impaes – Instituto Minide Pedroso de Arte e Educação Social propõe um novo e avançado formato de responsabilidade social no Brasil. O Instituto propõe beneficiar iniciativas que tenham como meta a capacitação de educadores na área da arte, visando efeito multiplicador em todas as suas ações sempre voltadas à formação de crianças, jovens e adultos, em comunidades de baixa renda. Por meio do Programa Desafios Impaes 2017, o instituto apoia projetos de formação de dois anos voltados a professores e gestores de creches de São Paulo, num dos quais atuamos como formadoras. O Projeto Afinal, o que é arte na Educação Infantil? trabalha com os CEIs Nossa Turma, Anibal Difrancia e Santa Marina, com monitoramento do CENPEC.

Leia mais sobre esse tema nas postagens:

Postado em Criança e Natureza, Planejamentos e Atividades | Tags , , , | 3 Comentários

Hora do parque é hora de quê?

O que a hora do parque representa para as crianças?
E para os professores?

Vamos começar pelos pequenos

O parque é um dos diversos espaços da escola que devem ser ocupados pelas crianças. Mas o parque é especial… talvez mais importante do que a própria sala!

Na área externa, de preferência grande, ensolarada e “decorada” pela natureza, as crianças desfrutam um ambiente arejado; amplo o suficiente para experimentar os grandes gestos do corpo; pesquisam e coletam galhos, pedras, plantas, bichinhos e outros tesouros; se juntam aos colegas e também encontram cantinhos secretos; colocam em ação incríveis enredos de faz de conta… enfim, vivem a infância no melhor cenário!
a hora do parque 1

Se perguntássemos agora, qual cena da sua infância vem primeiro à mente, para grande parte dos leitores o espaço que abriga a lembrança é o externo. Somos marcados por quintais, jardins, parques, sítios, praias e matas. Nesse sentido, os educadores percebem a importância desses espaços para suas crianças, mas nem sempre priorizam e se preparam para dedicar diariamente longos períodos às áreas externas.

a hora do parque 4Por que isso ocorre?
Porque fomos formados em escolas de paredes! Apesar de perceber os ganhos para as crianças, nossa memória corporal nos projeta para as salas de aula e acabamos reproduzindo nossa história com as crianças.

Recebemos inúmeras mensagens de professores pedindo orientação à respeito de turminhas de 1, 2, 3, 4 ou 5 anos “muito agressivas”. Pergunto-me se estas crianças são alimentadas pela vitamina “sol-espaço-movimento”!

Até aqui pensamos sobre o valor destas áreas na rotina dos pequenos (e na nossa também!). Agora vamos pensar no professor

Pergunto: sair para o parque todos os dias e garantir a segurança dos pequenos é suficiente?
É importante mas não é suficiente.

a hora do parque 3O parque da escola faz parte de um espaço FORMAL de educação. Ele não é a pracinha perto de casa que a criança frequenta com a família!

A hora do parque é um território fundamental para o desenvolvimento de diversas habilidades e aprendizagens e, por isso, não há lugar para espontaneísmo pedagógico. É impensável ocupar esse tempo precioso das crianças batendo-papo com o colega e colocando o Facebook, o WhatsApp e os e-mails em dia.

A hora do parque na escola é educativa… necessita planejamento, observação, intervenção, registro e reflexão:

  • Do que as crianças estão brincando no momento do parque?
  • O que posso levar para que as brincadeiras se ampliem e se aprofundem? (materiais)
  • Como posso organizar o espaços do parque para provocar a curiosidade e as explorações? (espaço propositor)
  • O que posso fazer para instigar, levantar problemas e desafiar as crianças a pensarem nas resoluções? (intervenções)
  • Quem e o que devo observar no momento de parque? Quais questões são importantes para registrar? (pauta do olhar e registro)
  • Com base nas observações e registros, quais materiais e intervenções posso organizar para a próxima saída ao parque? Quando devo me afastar e observar (dar espaço) e quando devo intervir?

a hora do parque 2

Então, o professor deve estar sempre encabeçando as propostas do grupo, se colocando, intervindo, mediando etc. etc. etc.?

Os pequenos podem experimentar uma maior autonomia na hora do parque. O professor pode assumir uma postura acolhedora e menos diretiva, que favoreça a organização autônoma dos grupos em torno de interesses próprios. É só fazer uma escuta para os desejos e necessidades das crianças e balancear os usos desse espaço privilegiado… assim como estamos habituados a pensar no espaço da sala!

a hora do parque 5

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

PARA SABER MAIS…

Leia mais sobre esse tema nas postagens:

 

 

Postado em Planejamentos e Atividades, Postura do Professor, Tempo, Espaço e Materiais | Tags , , , , | 1 Comentário

Depois do período de acolhimento…

Por que o período de adaptação/acolhimento não acaba?

Muitos professores imaginam respostas para essa pergunta comum:
Neste ano minha turma está difícil.
As minhas crianças chegam cansadas, ficam irritadas e querem dormir.
Percebo que os pequenos ainda não estão prontos para participar de projetos, eles não se entrosaram com os colegas, o espaço, os horários…

Encontramos professores assumindo essas conclusões no período “pós adaptação” ou, como temos nos referido, “pós-acolhimento”.

O que está acontecendo de fato?  
Onde está o problema? 
O que está por trás dessas conclusões?

Respondemos:
O que você está olhando? 
O que está deixando escapar? 
Qual é a sua pauta de olhar nesse momento?

A chegada dos pequenos à escola no início do ano se resume a alguns aspectos fundamentais:

  1. Relações com os adultos
  2. Relações com outras crianças
  3. Construção dos tempos coletivos e a rotina
  4. Interações com o espaço
  5. Interações com os materiais
  6. Aspectos individuais
  7. Segurança

professsora e seus alunos 1As relações demandam empenho, afeto, tempo e amadurecimento para que se estabeleçam os novos vínculos. Trabalhamos nesse sentido buscando conhecer cada uma das crianças que compõe o grupo, suas histórias e raízes, investimos nos gestos, nas palavras e na mediação entre os amigos. E assim, num trabalho de formiguinha vamos gerando – de gestação mesmo! – o nosso grupo.

Até aqui, tudo certo! Temos até um sentido humano-amoroso-professoral que nos guia por essa jornada. Mas então o que falta? Por que ainda não está dando certo?
Continue lendo..

Postado em Planejamentos e Atividades | Tags , , , , , , , , , | 7 Comentários

Água para brincar, acolher e pesquisar

Crianças são formadas num ambiente aquático. O líquido amniótico é uma piscina que banha o bebezinho durante os 9 meses de gestação. Então a água é a casa da criança por muito tempo. Naturalmente a sua ligação com esse elemento é estrutural. Crianças até dois anos são formadas por 75 a 80% de água, enquanto nós, adultos, temos 70 a 75% deste elemento em nossa constituição.

Portanto, a água é conhecida dos pequenos. Ela traz uma memória corporal que ficou registrada em seus primórdios. Água faz parte de seu universo, interessa e desafia. Água é íntima, acalma e acolhe.

Quer elemento melhor para acolher as acrianças na chegada ao mundo novo que é a escola depois das férias?

Use a água e todo o seu potencial de propostas nessa época de calor e adaptação:

Bacias, banheirinhas e outros recipientes amplos

Bebês e a água2

De acordo com o número de crianças da turma, coloque os recipientes preenchidos com aproximadamente 10 cm de água. Disponha as bacias com distância apropriada para permitir a movimentação dos pequenos. Diminua a roupa: tirar camisetas, meias, sapatos e até a calça/short. Permita tempo suficiente para a experiência. Enquanto os pequenos não se cansarem de aproveitar a água, vai ser difícil encerrar a brincadeira… é muita diversão e aprendizagem!

Águas coloridasÁguas coloridas

Pesquise recipientes amplos, transparentes ou brancos, e coloque gotas de corante  alimentício para tingir levemente as águas. Prepare o ambiente, de preferência externo, reduza as vestimentas das crianças e pense na estética da organização do espaço. Isso convidará os pequenos a experimentarem a água e as cores.

Transferências

Associe aos recipientes amplos com água, potinhos, colheres, conchas, peneiras, garrafas pet (perfuradas ou não), copos plásticos de diferentes tamanhos e aberturas e regadores.  Perceba como as crianças farão transporte, transferência, comparação, organização dos tamanhos e todas as relações possíveis com os materiais.

Lavagem de brinquedos e objetos diverso

Transferência 1Com os mesmos recipientes com água e mais esponjas, paninhos e sabonete (líquido ou em barra), separe objetos para serem lavados e colocados para secar. Organize o ambiente e prepare a vestimenta dos pequenos. É importante também reservar um espaço para as crianças colocarem os objetos lavados para secar. Não espere que os materiais sejam lavados uma só vez!

Continue lendo..

Postado em Criança e Natureza, Planejamentos e Atividades | Tags , , , , , , | Clique para deixar um comentário!

O encantamento das brincadeiras com barcos

Tempo de verão pede água!
Lagos, rios, mares, tanques e até recipientes com água atraem o olhar nos dias de calor. A transparência, o movimento, a cor e a lembrança das sensações refrescantes invadem a imaginação. Um brinquedo que pertence a esse universo, desde que infância é infância, são os barcos. Meticulosamente elaborados, construídos com materiais acessíveis ou até os mais simples, de papel, desafiam os movimentos e a criação de estratégias para compor enredos de aventuras.

Barcos feitos com caixasNeste semestre, alguns professores em formação com a equipe do Tempo de Creche (pelo Programa Desafios IMPAES 2017) arriscaram resgatar as brincadeiras com barcos em sequências didáticas que deram muito o que pensar…

O pensar dos professores…
Os professores foram desafiados a pensar sobre a cultura da brincadeira tradicional para levantar histórias e informações interessantes e alimentar a imaginação e os saberes das crianças. Pesquisaram materiais e testaram estratégias para construir os barcos. Os professores também planejaram os cenários para que as brincadeiras acontecessem: bacias, baldes, bandejas e calhas com água azul para encantar e aproximar das ilustrações dos livros.

Construção de barcos de brinquedo

O pensar das crianças…
brincando com barcos com calha
O antigo meio de transporte foi trabalhado com as turmas por meio de livros de histórias, imagens e filmes pesquisados na internet. As rodas de conversa propuseram um diálogo sobre os materiais e os modos a serem utilizados na construção das embarcações.

Com barcos prontos e crianças preparadas e ansiosas, as experiências foram intensas! Cada turma vivenciou um cenário diferente, já que o clima, os espaços das creches e as faixas etárias das turmas variaram: Continue lendo..

Postado em Brincar e Aprender, Planejamentos e Atividades | Tags , , , , , | Clique para deixar um comentário!

Cantos de atividades para revelar projetos

Temas identificados a partir dos interesses das crianças desafiam e envolvem o grupo. Em quais situações o professor pode observar as crianças e pesquisar o que as instiga? Cantos de atividades diversificadas ajudam, porém é preciso renovar as provocações.

Os momentos de brincadeira favorecem a observação mais distanciada e orientam o professor a identificar o que encanta as crianças, as conquistas e as dificuldades. Ao ampliar as possibilidades de inventar e imaginar, amplia-se também as oportunidades de observar novas brincadeiras e pesquisas. Cantos de atividades diversificadas favorecem as brincadeiras mais autônomas e a busca do professor por novos interesses e caminhos para planejar propostas. Mas os velhos cantinhos já brincados e rebrincados devem ser transformados para renovar o repertório de brincadeiras. Simples detalhes proporcionam mudanças:

Canto de casinha

  • Acrescentar novos elementos como sementes, pedrinhas e folhas para enriquecer as “comidinhas”;
  • Preparar uma cesta com alguns retalhos de tecidos para que as crianças construam vestimentas para elas próprias e para as bonecas;
  • Providenciar caixas de sapato ou de papelão para colecionar os objetos, organiza-los e até servir como camas e bercinhos.

Cestos de pedras e plantas Continue lendo..

Postado em Brincar e Aprender, Planejamentos e Atividades | Tags , , , , , , | 7 Comentários

Projetos: um quadro organizador para planejar e construir

Observar, escutar e acolher os interesses das crianças são os passos iniciais para construir projetos. Parece um processo corriqueiro e fácil. Mas está longe disso! Professores precisam ativar antenas de percepção e sensibilidade para intuir, refletir, criar e planejar práticas que provoquem as crianças, promovam brincadeiras e as despertem para questionamentos. Essa é a matéria prima para identificar temas e construir projetos com elas.

Como fazer isso acontecer?
Uma prática realizada no CEI Nossa Turma, SP pode ajudar a pensar.

As cores estão chamando a atenção de um grupo de crianças de 2 anos e de suas professoras também. A turma quer conhecer, aprender os nomes e pesquisa-las nos objetos do cotidiano, nos desenhos que fazem diariamente e nas pinturas.

Acolhendo e encaminhando esse interesse, as professoras Sandra Aparecida Ferrari Lima e Maria Aparecida Soares Santos (a Cida) têm planejado e desenvolvido diversas propostas envolvendo o tema. Cida utilizou um jogo de dominó comum para desafiar os pequenos a encontrar pecinhas com bolinhas amarelas, verdes, azuis etc. Os coloridos objetos do dia a dia também são estímulos para que as professoras brinquem com os pequenos fazendo perguntas sobre as cores.

atividade com pincel de espuma e pregadorRecentemente um pedaço de espuma de estofado caiu nas mãos da Sandra e inspirou uma interessante proposta de arte. Ela cortou o material em pequenos cubos, arranjou pregadores de roupas e criou pinceis originais.

Forrando com papel kraft uma grande mesa que fica na quadra, as professoras organizaram um espaço confortável e convidativo para a pintura. Continue lendo..

Postado em Planejamentos e Atividades, Tempo, Espaço e Materiais | Tags , , , , , | Clique para deixar um comentário!

Planejamentos ampliados com atividades que se transformam

Será que as crianças precisam experimentar coisas novas todos os dias?
Por que muitos professores entendem que atividades só são interessantes quando os materiais e as técnicas são inéditas? Planejamentos ampliados que partem de um mesmo tema podem interessar os pequenos?

Cruzamos com professores esforçados e dedicados, que às vezes passam noites e finais de semana preparando planejamentos, construindo brinquedos e até ensaiando teatrinhos para surpreender, entreter e divertir as crianças.

Educar crianças pequenas é isso?
Para provocar curiosidade, favorecer experiências e promover aprendizagens é necessário inovar a cada proposta?

A resposta é NÃO para todas as perguntas!
Crianças estendem e ampliam suas aprendizagens quando experimentam desdobramentos daquilo que já conhecem.

Não é diferente de nós, adultos.
Imagine uma situação em que vamos aprender a fazer tricô. Começamos com um ponto básico. Praticamos com uma linha simples para pegar o jeito. Melhoramos a habilidade e aprendemos sobre o processo básico.
O primeiro trabalho fica pronto! Admiramos a nossa produção, avaliamos e partimos para outro projeto.
Trocamos as cores e o tipo de lã. Produzimos um novo trabalho.
Aí continuamos na brincadeira mas arriscamos experimentar outros tipos de pontos e de agulhas.
O que aconteceria se logo depois do primeiro trabalho partíssemos para o crochê?
Qual seria a profundidade da pesquisa do tricô e do crochê? Continue lendo..

Postado em Campos de Experiências, Planejamentos e Atividades | Tags , , , , , | 1 Comentário