A Festa Junina por todo o país

Vai chegando o final do primeiro semestre e as escolas começam a pensar na organização das festividades do mês de junho. É comum o olhar das instituições se voltar para os arraiais com as bandeirolas e os chapéus de palha, hoje sinônimos da festa caipira. Mas as manifestações juninas são só isso ou temos outras referências para brincar nestas ocasiões? Existem outras tradições?

Carimbó

O festejo com quadrilhas, comidas típicas e o tradicional casamento na roça e seus personagens – noivo, noiva, pai da noiva, padre e delegado –  encontram respaldo no contexto cultural das comunidades do Nordeste. Foi naquela região, no período colonial Brasileiro, que começaram as festas juninas vinculadas aos três santos: São João, São Pedro e Santo Antônio, o casamenteiro. Das primeiras manifestações até os dias de hoje, muitas transformações ocorreram decorrentes das evoluções dos festejos nas grandes cidades, mas é do Nordeste o forró e os cortejos pelas cidades .

E as manifestações juninas das outras regiões
Pesquisar outras tradições pode ser uma proposta pedagógica?

O Colégio Sidarta, Cotia, vem se dedicando anualmente a olhar as culturas brasileiras. A cada ano pesquisa as manifestações culturais de cada uma das regiões, convidando as famílias e a comunidade para participar de todos os momentos da atividade.

Cultura do Sul

Num ano, o chapéu do tropeiro, sinônimo de orgulho das tradições dos estados do sul, marcou as festividades. Os tropeiros e suas violas, que embalam cantigas de saudade, atravessam a paisagem rural brasileira conduzindo o gado nas cavalgadas. São responsáveis por uma gastronomia diferenciada, vinculada às possibilidades alimentares que encontram pelo caminho. O arroz de carreteiro é um prato típico*. Os festejos a partir dos elementos dessa cultura compõem outro cenário para as festas juninas.

Cultura do Norte

Neste ano a pesquisa da comunidade do Sidarta voltou-se para a região norte, com o Carimbó.  Com traços da origem indígena, o carimbó é dançado em roda. Os tambores ressaltam os traços africanos da manifestação e as saias longas, esvoaçantes, rodadas e floridas apontam as origens das antigas europeias. Na pesquisa sobre a festa, o Sidarta trouxe as pinturas corporais indígenas com o grafismo inspirado nos elementos da natureza.

chapeu de palhaSeja qual for a região pesquisada, essa é uma forma de aproximar a grande diversidade cultural brasileira das crianças e suas famílias, se afastando do estereótipo do chapéu de palha desfiado, muitas vezes sem significado.

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

*Arroz de carreteiro – O arroz é um prato característico do Brasil, mas o arroz carreteiro, também conhecido como arroz-de-carreteiro, tem sua origem relacionada aos tropeiros e mercadores que transportavam cargas e viviam atravessando a região sul em carretas, um meio de transporte puxado por bois. Ao preparar as refeições era comum cozinhar o arroz com a carne de charque, expressão sulina para a carne seca e salgada, em panelas de ferro colocadas no fogo de pequenas fogueiras.

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

Balão-Para-Saber-MaisPara ler:
Festa Junina: oportunidade para trabalhar com a equipe de educadores
Chita, Festa Junina e um kit para brincadeiras

Postado em Manifestações Culturais e tags , , . Marcado com permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *