Arquivo da tag: Base Nacional Comum Curricular

Temas e postagens de fevereiro, a partir de 2015!

Revisitamos as postagens de fevereiro e reunimos as informações para recuperar as ideias e facilitar o acesso às postagens. Quais as preocupações e os temas desenvolvidos ao longo destes anos destes períodos, a partir de 2015!

Em fevereiro 2015, apresentando o livro Por que Heloísa?   Tempo de Creche conversou com a mãe e autora Cristiana Soares. Ela nos ensina por que não ter medo de ter um aluno com deficiência em sala de aula nos provoca a repensar o conceito de deficiência. Vale a pena a leitura da postagem e do livro!

Na postagem Educação de 0 aos 3 anos: contribuições de Emmi Pikler, a especialista em Educação Infantil Suzana Soares em curso oferecido pela CONVERSO Assessoria em 2015 aprofunda a relação bebê – educador na Abordagem Pikler-Lóczy.  Tempo de Creche conversou com Suzana e a postagem traz as informações para compreender melhor os aprendizados do bebê nos primeiros anos a partir desta abordagem.

“É preciso olhar o mundo com olhos de criança”. – Com a sugestiva citação de Henri Matisse, nessa postagem damos a notícia da inauguração do Núcleo de Ação Educativa da Pinacoteca de São Paulo o Espaço NAE Estudado e construído com um olhar multiuso, possibilita atividades poéticas do educativo do museu com o público em geral, inclusive o infantil e também encontra/se voltado para a formação de educadores.

 

Cor, luz e transparência são fenômenos físicos perceptíveis até por bebês bem jovens. Na postagem Arte: cor, luz e transparência esses elementos, há muitos anos, trabalhados pelas artes visuais e, de forma mais ampla, pela Arte Contemporânea, amplia seu campo de pesquisa. Com identificar o que isso tem a ver com a creche? Leia mais na postagem!

 

Já imaginou poder mexer no prato de macarrão, brincar com as massas e ainda colocar “molhos” de cores diferentes? Em Experiência de leitor: uma aventura com macarrão essa foi a proposta de atividade da Creche Fraterno, em São Bernardo do Campo, SP, para um dia de sol luminoso, com crianças de 18 meses.

 

As postagens de fevereiro 2016 são abrangentes e abordam Arte, Natureza, Letramento e Documentação Pedagógica, como vemos a seguir:

Na postagem Afinal, o que é Documentação Pedagógica? é enfatizada sua diversidade e a ausência de norma ou regra única para a sua elaboração, mas seu guia é o FOCO:
»Foco número 1: tornar visível e evidente as aprendizagens
»Foco número 2: a quem ela se destina (para quem será elaborada)
E ponto final! Mistério resolvido! Será…? Para clarear um pouco mais esses focos leia a postagem!

Natureza não é tema de projeto! Não? Na postagem O que dizer sobre o “Projeto Natureza”? é abordado este conteúdo pedagógico tão fundamental ao desenvolvimento das crianças quanto o desenho, a leitura e outros. Natureza: sol, ar puro, plantas e animais… Este contato é importante para a formação dos pequenos tanto do ponto de vista biológico-físico como para a saúde mental.

Apresentamos a nova organização das diferentes abas nas quais as postagens estão organizadas. Assim em Arte e Cultura estão reunidas as abas →Repertório Cultural
→Linguagens expressivas e →Manifestações Culturais

Este é um espaço dedicado à expressividade da criança e à experimentação das linguagens da Arte: música, dança e expressão corporal, jogos simbólicos e dramatização e artes visuais. Para desenvolver um trabalho enriquecido o professor precisa ampliar seu repertório e, para isso, promovemos um passeio pelas manifestações culturais regionais brasileiras e estrangeiras, valorizando as raízes culturais na construção da identidade da criança.

Para saber mais sobre Tanque de Lama, Experiências artísticas e linguagem escrita na infância as postagens de fevereiro 2017 trazem essas informações!

 

Esta postagem Experiências artísticas das crianças remete a conversa com a arte-educadora Angélica Arechavala e a pedagoga Sandra Cordeiro Marino, ainda em 2014, sobre as experiências artísticas das crianças. A postagem completa é Angélica e Sandra falam sobre o fazer arte com a criança

Choveu e o jardim virou uma lama só! A postagem Experiências num Tanque de Lama nos provoca com a possibilidade de não repensar a proposta e dar um tempo de aprender sobre a natureza e tudo o que ela traz. Então… a proposta é brincar no tanque de lama!

 

Se conseguimos registrar as trajetórias e acontecimentos da vida e a comunicação ganhou fronteiras e conquistou o tempo muito se deve ao percurso da escrita na humanidade. Na postagem Palavra de… Magda Soares: a linguagem escrita na infância apresenta a conversa com a pesquisadora de alfabetização e letramento que, em duas postagens nos conta como a criança percebe o universo da linguagem escrita, o que é alfabetização, o que é letramento e o que precisamos fazer para trabalhar esses processos.

Na postagem Oba! Vou para creche! estão reunidas as que tratam de adaptação. Assim, para ler mais, clique nas postagens abaixo:

 

Sobre Bebês e momentos de leitura são indicadas as postagens:

Para conhecer mais sobre os livros-imagem (sem texto) O Jornal e O Lenço, de Patrícia Auerbach, da Editora Brinque-Book, Tempo de Creche conversou com a autora sobre a importância da imagem para a criança e como se deu o processo de criação dos dois livros, que não têm texto, mas têm muito a contar. Para ler sobre essa conversa acesse Palavra de… Patrícia Auerbach: como ler livros para crianças?

 

Muitos educadores têm experimentado e reconhecido o valor de trabalhar a partir de projetos na educação infantil. Na Mostra na Escola Primeira: trabalho a partir de projetos os temas e pesquisas que nascem dos interesses dos pequenos, das situações do cotidiano e do olhar apurado dos professores que pegam “ganchos” nas oportunidades significativas são apresentados para pais e comunidade.

Um momento de reflexão sobre o que uma criança pequena genuinamente detesta está na postagem Crianças não nascem racistas! A única coisa que vem à cabeça é parar de brincar. Crianças “abominam” interromper a brincadeira para comer, tomar banho ou dormir. E só!

As publicações de fevereiro 2018 tratam de adaptação/acolhimento em duas postagens, as especificidades de trabalhar com água,

Depois do período de acolhimento… Por que o período de adaptação/acolhimento não acaba? Quais seriam as respostas possíveis? Esta postagem procura investigar o que está acontecendo de fato ou onde está o problema.

Ainda sobre este período do trabalho na postagem Adaptação em processo: você já é o brinquedo favorito das suas crianças? a preocupação continua: por que com todo o esforço da adaptação, muitas turmas ainda têm crianças que choram e essa situação que parece fora de hora e causa ansiedade.

Com uma ligação mais que natural, crianças e água combinam! Na postagem Água para brincar, acolher e pesquisar são apresentadas algumas sugestões de como aproveitar essa afinidade e proporcionar pesquisas interessantes.

 

Com a publicação Campos de experiências todos os dias! Como trabalhá-los? falamos em planejar, registrar, refletir e replanejar como uma postura do educador, que percebe as crianças e acolhe suas contribuições. Mas isso é suficiente no contexto formal da Educação Infantil? Ampliamos as informações refletindo em → Por onde começar? e apresentando → Quem pensa sobre a criança e a infância hoje?

Postado em Planejamentos e Atividades | Tags , , , , , , , , , , , , | Clique para deixar um comentário!

Campos de experiências e objetivos da atividade: o que pensar sobre isso? – PARTE 2

Como trabalhar com os campos de experiências e objetivos de aprendizagem?
Durante as atividades, como favorecer experiências num campo específico, se as crianças pensam e agem mobilizando habilidades diversas?
Como se planejar para buscar avanços e desenvolvimentos específicos na turma?

Na postagem anterior, pensamos sobre a aprendizagem das crianças pequenas por meio de experiências. Recorremos aos pedagogos Jorge Larrosa e Silvana Augusto para compreender que experiência de aprendizagem é aquilo que deixa marcas. Quando curiosa e encantada, a criança pequena se envolve no desafio e se dedica a ele. Dá para perceber isso claramente no dia a dia:

no pátio, quando desafiam o corpo a saltar cada vez mais longe;
ao fazer de uma caixa, um ônibus que perambula pelas ruas imaginárias;
ao bater uma panela no chão sem parar para ouvir variações e similaridades dos sons;
ao misturar areia numa massa de farinha;
ao virar as páginas de um livro procurando as narrativas já conhecidas;
ao descobrir que 1 é bem pouquinho e 5 é muito mais.

Nesta postagem vamos refletir sobre a atuação provocadora do professor para promover experiências além daquelas espontaneamente vividas pelas crianças. Com isso, favorecer o desenvolvimento das diversas áreas – ou “campos” – de aprendizagem e desenvolvimento.

Que tal recorrer à prática para entender? Continue lendo..

Postado em Campos de Experiências, Desenvolvimento Infantil, Listagem de postagens por temas | Tags , , , , , , , | 1 Comentário

Experiências e campos: o que a Base Nacional quer dizer com isso? – PARTE 1

Com a homologação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) duas palavras têm tirado o sono de coordenadores e professores da Educação Infantil: experiências e campos.
Nesta postagem vamos refletir sobre as EXPERIÊNCIAS como pilares das transformações e aprendizagens das crianças pequenas. Na próxima postagem vamos destrinchar a organização das experiências em diferentes CAMPOS, os campos de experiências e seus objetivos de aprendizagem e desenvolvimento para explicar como eles podem orientar os planejamentos e as prática dos professores.

Experiência de aprendizagem berçárioEntão, o que são as famosas experiências tão presentes na BNCC?

As palavras experiência-experiências aparecem mais de 30 vezes ao longo do texto dedicado à etapa da Educação Infantil. Essa ênfase traduz a crença de que crianças aprendem quando têm experiências. O que isto significa? Continue lendo..

Postado em Campos de Experiências, Desenvolvimento Infantil | Tags , , , , | 6 Comentários

Em tabelas, o que a criança faz a cada etapa do desenvolvimento

Como acompanhar os avanços e saltos de aprendizagem das crianças?
A resposta não é simples.
Para responder é preciso partir da observação franca, com olhos de quem quer descobrir o mundo ao lado dos pequenos.

Cada criança tem um traço próprio. Histórias e desejos singulares, que caracterizam percursos e ritmos de seu desenvolvimento. Do mesmo modo, cada turma é única e trilha jornadas próprias em direção ao amadurecimento.

Por outro lado, educar crianças pequenas solicita o apoio de referências para orientar o professor:
Como se movimentam as crianças de um ano?
Em geral, como se comunicam as crianças de 2 anos?
Crianças na faixa dos 5 anos podem ter uma formação científica? Podem trabalhar com números?

Poderíamos listar um infinidade de questionamentos que cruzam os caminhos dos professores da Educação Infantil. Profissionais que hoje devem estruturar o trabalho pedagógico sobre um currículo pautado em experiências e afastado de “conteúdos e disciplinas” (ainda bem !).

Para auxilia-los a acompanhar o desenvolvimento das crianças a partir da pesquisa das características das próprias turmas, elaboramos uma série de tabelas com uma visão geral do que as crianças podem fazer em cada faixa etária. Continue lendo..

Postado em Campos de Experiências, Desenvolvimento Infantil | Tags , , , , | 15 Comentários

Palavra de… Beatriz Ferraz: a BNCC e a Educação Infantil

O Blog Tempo de Creche conversou com a psicóloga Beatriz Ferraz sobre a nova Base Nacional Comum Curricular Educação Infantil. Beatriz participou do grupo de especialistas que escreveram textos para apoiar a implementação da primeira versão do documento e foi leitora crítica da 3ª versão.

 

Tempo de Creche O que é a BNCC? Em que ela difere das Diretrizes Nacionais e Referenciais?

captura_de_tela_2017-04-10_as_08.30.11

Beatriz – A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é o documento que estabelece um conjunto de noções, habilidades e atitudes que todas as crianças que frequentam a educação infantil têm o direito de aprender. Esse conjunto de aprendizagens estão redigidos como objetivos de aprendizagem e desenvolvimento e devem ser considerados por todas as escolas do país, sejam elas públicas ou privadas.

O documento da BNCC estabelece um referencial nacional obrigatório que deve ser contemplado no currículo de todas as redes de ensino e instituições escolares, públicas ou privadas.

A partir dessa referência, o exercício das redes e escolas é realizar adequações em suas propostas curriculares e pedagógicas, garantindo que as mesmas estejam considerando as aprendizagens indicadas na BNCC. Nesse aspecto a BNCC se diferencia dos Referenciais Curriculares Nacionais, pois os mesmos não tinham o caráter de obrigatoriedade.

Tempo de Creche – A BNCC dialoga com as Diretrizes? Continue lendo..

Postado em Campos de Experiências, Desenvolvimento Infantil, Palavra de... especialista, Postura do Professor | Tags , | 16 Comentários

Pauta do Olhar: os campos de experiências e a singularidade

Refletir, repensar os mesmos assuntos e enfatizar alguns aspectos para orientar uma prática pedagógica que garanta sempre as vias de mão dupla. Paulo Freire afirmava que quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. O que estamos aprendendo no momento em que estamos ensinando? Estamos ensinando prevendo respostas certas? Ou estamos ensinando de forma aberta, concedendo tempo e liberdade para as crianças expressarem seus modos singulares de se desenvolver?

imagem para materia do site SEE_ BASE NACIONAL COMUM CURRICULARNesse sentido, achamos que somos chatas e repetitivas porque estamos retomando os Campos de Experiências e a forma como foram abordados os desenvolvimentos das crianças pequenas na 2a versão da BNCC (Base Nacional Comum Curricular).

O Tempo de Creche acredita na importância e necessidade de ampliar o repertório dos seus educadores-leitores, respeitando e balizando os conteúdos pelas diretrizes e documentos nacionais do MEC. Mas não podemos valorizar aquilo que parece fugir do razoável! Assim, não concordamos com a forma como os campos de experiências da segunda versão foram estruturados. Continue lendo..

Postado em Campos de Experiências, Registros e Documentação | Tags , , , , | 4 Comentários

Crianças e histórias infantis. Aprendem? Como e por quê?

Com o início do semestre temos uma ótima oportunidade de fazer uma revisão nos materiais de utilização constante pelas crianças como os livros da biblioteca. É parte do processo de introdução ou ampliação dos temas de interesse das crianças a seleção de livros que ficarão à disposição dos pequenos durante certo período. É o fortalecimento da relação crianças e histórias.

Mas como escolher? Histórias fantásticas, de animais ou descrições da realidade?crianças lendo 3

Pesquisadoras Caren M. Walker, Alison Gopnik [da Universidade da Califórnia, Berkeley] e Patricia A. Ganea [da Universidade de Toronto], em estudo recente publicado no periódico científico Child Development, enfatizam a importância das diferentes oportunidades para as crianças de aprenderem informações que elas não podem experimentar diretamente – especialmente no que diz respeito a fenômenos não observáveis, por meio da leitura de ficção.

Sabemos que as histórias nos ajudam, desde muito cedo, a compreender o mundo que nos cerca, mas como isso funciona? É também assim que as crianças aprendem com as histórias infantis? Mas como e por quê?

crianças lendo

Continue lendo..

Postado em Campos de Experiências, Linguagens Expressivas | Tags , , , , , , , , , , , , , | Clique para deixar um comentário!

Segunda versão da Base Curricular (BNCC): pilares para pensar a prática

Saiu a segunda versão preliminar da Base Nacional Comum Curricular. E gostamos do novo formato! Está ótimo para refletir sobre a nossa prática. Baixe o documento: MEC BNCC versao2 abr2016
A linguagem está acessível e direta, em consonância com as crenças formativas do Tempo de Creche! 
Existe um entrelaçamento mais claro e objetivo nesta proposta da Base Curricular com as Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Infantil.
A prática, mesmo que do ponto de vista conceitual da ação pedagógica, também foi mais contemplada.

imagem segunda versão da Base Nacional Comum

Continue lendo..

Postado em Campos de Experiências, Coordenação e Gestão | Tags , , , , , | 2 Comentários

Identidade: a jornada do EU

Uma das grandes conquistas da criança em seu processo de desenvolvimento é o início da construção da própria identidade. Mas, se refletirmos profundamente sobre esse tema, percebemos que a identidade leva uma vida inteira para ser construída!
brincadeira com bonecosQuem sou eu?
O que eu gosto?
O que eu não gosto?
Como eu me cuido?
Como me relaciono?
O que é importante para mim?
O que me diverte?
E muitos etc. para conduzir uma jornada de décadas de autoconhecimento!

Contudo, esse caminho tem seu início quando o bebê vem ao mundo e experimenta as sensações, emoções e aprendizagens que faz do seu entorno. Assim, o roteiro interminável das perguntas acima é formulado desde sempre! Continue lendo..

Postado em Coordenação e Gestão, Desenvolvimento Infantil | Tags , , , , , | 20 Comentários

Base Nacional Comum e o pensamento matemático – parte 2

Como a criança interfere e se apropria dos espaços? É possível trabalhar o tempo? As quantidades? E os fenômenos naturais? Como a Base Nacional Comum Curricular aborda o pensamento matemático nas crianças pequenas?

Começando a conhecer o mundo, os bebês e as crianças pequenas iniciam e criam as primeiras aproximações com ele: observam, mexem, jogam, mordem, interagem, investigam…

Post 2 Angela 1

O texto provisório do documento da Base Nacional Comum Curricular também aborda propostas para provocar e desenvolver o campo de Experiências Espaços, Tempos, Quantidades, Relações e Transformações em cada eixo de objetivos:
Conviver,
Brincar,
Explorar,
Participar,
Comunicar,
Conhecer-se

Continue lendo..

Postado em Campos de Experiências, Coordenação e Gestão | Tags , , , , , , , , , | 5 Comentários