Arquivo da tag: construção de conhecimento

Projeto e pesquisa na educação infantil: muito mais do que informação

Qual o projeto da turma para este semestre? O que é trabalhar com projetos na educação infantil? É uma abordagem importante? Como selecionar temas? Como instigar o grupo? Neste texto convidamos o leitor a pensar sobre projetos, sequências investigativas, pesquisa e o valor da roda de conversa neste contexto.

Ainda hoje vemos creches e pré-escolas impondo temas de pesquisa para as turmas: projeto das quatro estações, cinco sentidos, bichinhos do jardim, identidade, cultura africana…, pensados por professores e coordenadores, no início do ano letivo, antes mesmo de conhecer as crianças.

Os temas em si não são o problema. A questão está em acreditar que experiências de investigação e construção de conhecimentos podem ocorrer com assuntos descolados da curiosidade das crianças. Madalena Freire nos lembra que curiosidade é característica da criança, mas ela precisa ser alimentada com intervenções, encaminhamentos e devolutivas adequadas ao contexto.

Por isso, escolas e professores vêm se repensando e questionando a própria prática, buscando dar vez e voz aos interesses singulares e às perguntas das crianças para construir aprendizagens de fato significativas.

Neste ato de se repensar, os educadores atravessam uma crise de indeterminação: partir de uma pedagogia transmissiva apoiada em caminhos previamente estruturados ou considerar uma pedagogia participativa, que inclui os saberes e as questões das crianças, para orientar o planejamento do percurso investigativo?

Como fazer diante dessa incerteza?

Como fazer a passagem de uma crença a outra, que embora pareça clara na teoria, não se revela tranquila na prática?

Assim, surgem muitos outros “comos”: como planejar as atividades se não se sabe ao certo o que virá? Como ler nas entrelinhas as curiosidades das crianças? Como trabalhar um currículo apoiado em experiências que promovam a construção da identidade, as interações, os saberes do corpo, as múltiplas expressões e a linguagem (campos de experiências)?

Propomos considerar as incertezas como possibilidades produtivas!

As autoras do Tempo de Creche e as autoras parceiras, Joyce Eiko Fukuda e Lucila Almeida têm se debruçado sobre esta questão para buscar formas, formatos e formações. Com isso pretendem auxiliar os professores da educação infantil a desenvolver uma prática que considera o desejo de conhecer da criança e sua capacidade de investigar, propor, interagir e construir aprendizagens nas diversas esferas do conhecimento.

Nas perspectivas de Piaget e Dewey, a curiosidade e a investigação são os motores da aprendizagem na infância, para que as crianças aprendam a projetar e encontrar meios próprios de realizar seus empreendimentos. Ao se envolver em experiências investigação e pesquisa, as crianças têm a oportunidade de aprender a partir das suas múltiplas linguagens e pelas hipóteses e ideias construídas no grupo. Isto é afastar-se de uma pedagogia linear, que só enxerga uma direção de pensamentos e assumir novas possibilidades criadas pela construção coletiva de conhecimentos.

Mas, para que haja interesse pela pesquisa, o espírito investigativo da criança precisa ser provocado! O desejo de perguntar, conhecer e criar deve ser instigado para que ela deseje conhecer e se encante com as descobertas de seu percurso de pesquisa. Assim, é necessário dialogar com o que instiga, valorizar a curiosidade e os questionamentos, orientar a busca de informações, documentar a pesquisa, retomar os registros, promover conversa e formulação de hipóteses, acompanhar a resolução de problemas e valorizar a construção de estratégias, a avaliação e os saberes. Nesse sentido, para desenvolver uma pedagogia participativa e reflexiva é preciso ancorar-se em:

  • Planejamentos abertos e dinâmicos;
  • Espaço para perguntas e para o desconhecido;
  • Curiosidade e encantamento;
  • Pensamentos de cada um e diálogos coletivos;
  • Ideias que partem das crianças, alimentadas pelas intervenções do professor para fazer pensar, imaginar, levantar hipóteses, planejar e resolver problemas.
  • Documentação dos percursos do projeto e dos conhecimentos produzidos pelo grupo;
  • Não baratear os conhecimentos e acessar junto com as crianças os saberes construídos pela humanidade, para desenvolver novas hipóteses, estratégias e saberes;
  • Ir além de uma aprendizagem baseada somente em transmissão de conteúdos e informações.

Assim, oferecer oportunidades de pesquisa para crianças pequenas está distante do planejamento de propostas “divertidas”, que duram apenas o tempo da atividade. As propostas que se transformam em verdadeiras experiências de aprendizagem dialogam com as perguntas das crianças, se conectam com as percepções e saberes e deixam marcas… marcas da experiência no corpo, na mente, nas paredes da escola e nos portfólios.

O papel do professor investigador e mediador

Para contemplar o espírito curioso da criança e um currículo que valoriza as aprendizagens significativas, é importante debruçar-se sobre o planejamento e contar com a colaboração dos três parceiros interativos da escola: crianças, educadores e famílias.

Juntamente com o professor, o ambiente é também educador e propositor de sensações e interações entre as crianças. Com isso, ainda que não haja um espaço ideal, é possível torna-lo flexível, modificando-o a todo momento. Valoriza-se o espaço ao organizar os materiais e os objetos de modo a passar uma mensagem: “me explore”, “sou curioso e interessante”, “sugiro que você interaja comigo desta forma”.

O espaço é também o portador das marcas do processo, da documentação pedagógica, que deve habitar as paredes e janelas com registros escritos, fotos, imagens, transcrição das falas das crianças, lembranças e produções a respeito da pesquisa em andamento.

Como começar esse movimento investigativo?

A observação e a escuta são os disparadores de grande parte dos percursos investigativos. É estando atento aos movimentos e expressões das crianças que o professor encontrará elementos para orientar suas escolhas em relação aos temas e rumos de pesquisa junto ao grupo.

Ao contrário do que se pode supor, escutar não é uma postura passiva. Escutar as crianças e a si mesmo envolve observar. Nas palavras de Madalena Freire, trata-se da construção de um olhar sensível e pensante que envolve atenção e presença. Escutar é, portanto, estar aberto a dúvidas e incertezas, à surpresa ou ao incômodo do inesperado.

Para acessar os saberes e as perguntas das crianças, é interessante observá-las brincando, interagindo, recusando-se a algo, calando-se. Escutar os silêncios também dá pistas para os caminhos de intervenção do professor. Portanto, os ambientes de roda de conversa são fundamentais para formular perguntas provocadoras e favorecer que as crianças também perguntem e expressem o que já sabem sobre as questões e compartilhem suas novas hipóteses.

Ao partir das contribuições do grupo, o professor colhe pistas para transformar um problema que mobiliza apenas algumas crianças em uma temática atraente para várias. Contudo, é preciso estar atento para o fato de que, mais do que valorizar conteúdos, o que se pretende é trabalhar a estrutura de pensar, questionar, investigar, argumentar, acatar, colaborar e conviver, tendo os assuntos como “recheios” desta estrutura.

Na primeira etapa da investigação, o professor tem a oportunidade de registrar pontos interessantes, pesquisar conteúdos e elaborar as estratégias para as atividades iniciais. Uma mesma temática pode ser trabalhada de modos complementares por subgrupos de crianças de um mesmo grupo, pois nem sempre é possível e produtivo fazer convergir os interesses de todos ao redor de uma mesma questão. Por outro lado, as pesquisas paralelas que se relacionam a um grande tema podem ser uma boa proposta de trabalho cooperativo.

Como despertar e envolver as crianças em torno de problemas?

Fazendo perguntas provoquem o desejo de pensar!

Boas perguntas são amplas e não direcionam as respostas. Elas possibilitam a elaboração do pensamento e dão espaço para respostas criativas e outras perguntas. Boas perguntas sinalizam para as crianças que elas tem o que dizer e contribuir, e abrem espaço para que o professor ajude a organizar as colocações, o que já se sabe e aquilo que se quer saber:

  • O que sabemos sobre tal coisa/situação? Pode falar sobre ela?
  • Como se sente sobre isso? Alguém se sente de um jeito diferente?
  • O que você gostaria de saber? Gostaria de aprender algo sobre isso? Você tem alguma pergunta sobre o tema? Alguém quer saber algo diferente?
  • Você pode falar mais sobre isso? Pode explicar?
  • Como será que isso acontece? Como você acha que pode descobrir? O que você imagina sobre isso?
  • Alguém tem uma opinião diferente? Alguém pensou de outro jeito?
  • Onde podemos encontrar ajuda? Onde e como podemos pesquisar?
  • Conte para os seus amigos o que você quer descobrir!
  • Alguém pode ajudar o amigo a descobrir?
  • Como vocês podem ajuda-lo?
  • Será que tem outro jeito?
  • Então vamos pesquisar! Como podemos começar?
  • Alguém mais pode nos ajudar a descobrir? Quem?
  • Pode explicar como fez isso?
  • O que descobrimos? Conhecemos coisas novas? Será que agora pensamos de um jeito diferente?

Esse movimento de diálogo, que parte de questões propostas e de comentários dos participantes, precisa dos momentos de roda de conversa. É nela que a criança encontra a organização necessária para dialogar e pensar, ouvir e se expressar, levantar hipóteses e planejar, enxergar o outro e ver a si mesma. É também na roda que o professor tem a oportunidade de sistematizar os conhecimentos produzidos ao longo do percurso investigativo e favorecer a construção de conhecimentos.

Desse modo, mais do que esperar que as crianças respondam “corretamente”, o objetivo da mediação da conversa é fazê-las pensar sobre o tema em questão. É instigá-las a fazer boas perguntas e novas formas de pensar.

Hoje, as respostas são facilmente encontradas em inúmeras fontes de pesquisa. O diferencial de um bom projeto de investigação é vivenciar com as crianças o procedimento de elaboração das perguntas. É isso que mobiliza a pesquisa, o diálogo, a observação do mundo e a construção de novos conhecimentos. É esse contexto que permite ao professor elaborar propostas para tornar cada vez mais complexo o pensamento das crianças e permitir composições criativas entre as diferentes linguagens – simbólica, expressiva, plástica, corporal, gráfica etc.. Projetos de pesquisa são oportunidades para despertar e encantar crianças e professores com as próprias conquistas.

Este texto foi elaborado pelas autoras do Tempo de Creche em parceria com Joyce Eiko Fukuda, que é uma das autoras do livro Praticas Comentadas para Inspirar: formação do professor de educação infantil.

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

PARA SABER MAIS…

Joyce Eiko Fukuda é psicóloga, orientadora educacional da Escola Criarte – SP e formadora de professores. Lucila Almeida é pedagoga, especialista em Crianças de 0 a 3 anos e formadora de professores. Ambas são coautoras do nosso livro Práticas Comentadas para Inspirar: formação do professor de educação infantil, aprovado pelo PNLD 2019.

Leia mais sobre projetos, roda de conversa e planejamento nas postagens:

Postado em Planejamentos e Atividades | Tags , , , , , | 1 Comentário

Moradias do saber: uma reflexão sobre aprendizagem

Madalena Freire, filha do educador e filósofo Paulo Freire, é uma de nossas gurus. Para nós, Madalena traz conceitos sofisticados, essenciais e, na mesma medida, simples e práticos. Ao ler e ouvir Madalena, você enxerga o contexto da sala de aula, os alunos e se percebe como professor.

angela-rizzi-madalena-freire-joyce-rossetAproveitando uma rara oportunidade, estamos participando de um curso ministrado por ela em São Paulo – Grupo de Estudo: o papel do registro na formação do educador. Como toda aula da Madalena, precisamos registrar, refletir e produzir uma síntese – um resumo comentado – sobre os conteúdos abordados e a aprendizagem que ficou.

julyanne-n-curso-madalena-freireJulyanne Nakagawa, uma das nossas colegas do curso, fez uma síntese sensível, que traduz as sensações de aprender e, consequentemente, de compreender aquilo que causamos ao ensinar. Processos de aprendizagem começam com o que nos tira do conforto, o que nos provoca e incomoda.

Quando algo nos instiga, perece que provoca um burburinho na nossa cabeça: isso parece fazer sentido, mas ainda não compreendo! Como explicar isso? Esse é o desconforto que nos move e nos faz querer aprender. Essa é a sensação que precisamos provocar ao ensinar os alunos … de 0 a 100 anos! Continue lendo..

Postado em Palavra de... especialista, Postura do Professor | Tags , , , | 1 Comentário