Arquivo da tag: planejamento na educaçao infantil

Avaliação na educação infantil: pensando a partir da prática

Ao pensar em REGISTRO, os conceitos de REFLETIR e AVALIAR sempre estão colados. Como um processo se conecta ao outro? Mesmo cercado de incertezas, o registro pedagógico tem sido cobrado, exercitado e já faz parte da prática do professor. Então, o que é fazer avaliação na educação infantil?
Convidamos o leitor a pensar sobre estas questões a partir de uma situação prática… mas sem esquecer da fundamentação teórica!

A avaliação é o final e também o início de um percurso de aprendizagem. Sem avaliar o que vivemos não podemos aprofundar as experiências. Nesse sentido, o registro pedagógico é o meio para que se processe a avaliação. É retomando as anotações, as imagens e as produções que o professor reúne elementos para pensar sobre o que ocorreu e AVALIAR as aprendizagens das crianças e sua prática pedagógica. É avaliando que o professor pode pensar no foco das próximas propostas para aprofundar as aprendizagens, construir competências e transformar a sua prática.

Não adianta escrever, escrever e escrever no caderno de registro, fotografar, filmar e guardar os trabalhos das crianças se tudo isso só existir para preencher o vaizio do caderno, a memória do celular e o armário da sala! É preferível fazer registros mais sintéticos e objetivos e retomá-los em reflexão.

Do mesmo modo, a criança precisa rever-rememorar-retomar as próprias experiências de aprendizagem. Nestas oportunidades, ela pode refletir a seu modo sobre o que viveu e aprendeu. Contudo, para favorecer este processo, também é fundamental que o professor registre, reflita e avalie para que possa organizar uma documentação pedagógica que dê conta de expor as narrativas das vivências das crianças. Só para lembrar, documentar envolve selecionar e organizar:

  • fotografias dos espaços e materiais,
  • amostras dos materiais (se for o caso),
  • fotografias das crianças em momentos de aprendizagem, descoberta e resolução de problemas,
  • produções das crianças,
  • escrita das falas das crianças,
  • outros documentos utilizados durante as atividades (imagens, textos, livros etc.).

Mas atenção! A composição desse material deve contar uma história na qual as crianças são as protagonistas. Não adianta juntar tudo e colar de qualquer jeito num cartaz, num painel ou no portfólio! Professor, depois de refletir sobre seus próprios registros, é importante se perguntar: o que eu gostaria que as crianças lembrassem? Como fazê-las reviverem o que viveram? Quais os interesses que estão demonstrando a partir da retomada das experiências? O que ficou de toda a proposta? O que eu gostaria de continuar a chamar a atenção do grupo? O que eu acho que vale a pena continuar pensando para aprofundar?

A professora e pesquisadora portuguesa Júlia Oliveira-Formosinho acredita que a avaliação na educação infantil deve estar apoiada em uma série de princípios:

  • Ser compatível com uma teoria de educação. A avaliação, como dimensão da prática pedagógica, precisa “combinar” com ela. Isto é, se acreditamos numa educação que considera a criança como protagonista e produtora de cultura, os processos de avaliação devem partir desta crença.
  • Ser democrática e participativa, compreendendo professores, crianças, famílias e a comunidade escolar.
  • Envolver ativamente as crianças, que devem participar na elaboração da documentação pedagógica, visitar seus registros para repensar-rememorar as experiências vividas e se expressar sobre elas.
  • Apoiar as jornadas individuais de aprendizagem de cada criança e dos professores.
  • Centrar-se nas narrativas do que as crianças fazem, conseguem e conquistam para não atacar o bem-estar delas.

A pesquisadora portuguesa ainda valoriza “ouvir as crianças, olhar para elas, estabelecer conversas e diálogos, alcançar compromissos entre os propósitos das crianças e os dos profissionais, planejar para a realização desses compromissos, documentar todo o processo, refletir sobre a documentação que torna visível a jornada de aprendizagem de cada criança e a jornada coletiva”. Tudo isso para que “a documentação e a avaliação sejam vistas como um suporte das jornadas de aprendizagem”.

Para cruzar estes pensamentos teóricos com a prática pedagógica e responder à indagação “até aqui tudo certo, mas como eu faço isso na prática?”, organizamos um percurso de avaliação inspirado numa prática pedagógica. Usamos como exemplo uma das práticas publicadas no nosso livro Práticas Comentadas para Inspirar (Editora do Brasil, 2017), realizada pelas professoras Sandra e Cida no CEI Nossa Turma, SP.

 •  •  •  •  •  •  •  •  •  •  •  • 

Atividade: UM LABORATÓRIO PARA PEQUENOS CIENTISTAS

Contexto das crianças e a pesquisa do professor

É conhecendo, interagindo com o mundo físico e inventando brincadeiras que as crianças desenvolvem a curiosidade e a vontade de levantar problemas, pesquisar soluções, empreender tentativas, avaliar os resultados e fazer tudo de novo!

Proposta de atividade para uma turma de 3 a 4 anos: brincadeira com materiais e objetos do cotidiano


Objetivos de aprendizagem e desenvolvimento
 – a partir da BNCC (2018)
Continue lendo..

Postado em Coordenação e Gestão, Registros e Documentação | Tags , , , , , | 2 Comentários

Um olhar para o passado e para o futuro embasa o planejamento no presente

Um pensamento comum no meu tempo de criança afirmava que “conhecimento não ocupa espaço”, mas não significa que não é trabalhoso conquistá-lo…

Um olhar para o passado e para o futuro embasa o planejamento no presente. Lembrando disto, Mexemos no arquivo de postagens publicadas em abril, abrangendo o período de 2014 a 2018. Com temas variados temos um leque de possibilidades para refletir!

Para nos orientar as questões: – O que pensamos em abril nesses anos de blog? – Quais os temas que nos envolveram?
A preocupação maior é a criança! Pensamos nelas o tempo todo! Mas o olhar é estendido pelas diferentes dimensões do fazer pedagógico…Organizamos as postagens procurando agrupá-las por temas e, assim, facilitar o acesso aos conteúdos que mais interessarem ou provocarem a pesquisa ou o estudo.
São estas!
Diversidade, A escola e o seu entorno, Ampliação cultural, Relação criança x adulto, Aprofundando a formação, Aprimoramento profissional, Planejamentos e Recursos. Continue lendo..

Postado em Coordenação e Gestão, Postura do Professor | Tags , , , , , , , , , , | Clique para deixar um comentário!

O que dizer sobre a intenção pedagógica?

Hora da chegada, hora do café, lavar as mãos, fazer xixi, escovar dentes, guardar a mochila, arrumar-se para o pátio, participar das propostas de atividade, lavar as mãos novamente, beber o suco, almoçar…. ufa! Uma sucessão de incansáveis etapas do dia, marcadas pelo tempo do relógio, pelo tempo de cada criança e pelo tempo dos professores e equipes de apoio da escola. E, no final de tudo, a tal da intenção pedagógica por trás de cada atitude e de cada fala.
É possível lidar com tudo isso? É preciso ser um professor herói?

Vamos por partes!
O que é ensinar com intenção?

organizacao-com-intencao-pedagogica-3Educação com intenção parte de professores comprometidos com as crianças. É falar de um profissional ativo e nunca passivo a respeito daquilo que faz. Na prática, é dizer que se o professor deixa a turma “brincar livremente”, ele o faz com a intenção de trabalhar, por exemplo, as relações de grupo entre as crianças, sem a interferência do adulto. É um momento escolhido para brincar livre, que, ao se repetir, proporciona ao grupo elementos que aprofundam as tais relações. Nesse sentido, o professor munido de intenção aumenta ou diminui a quantidade e a diversidade dos materiais oferecidos; procura organizar os espaços de modo a favorecer a formação de grupos maiores ou menores de crianças; propõe regras para compartilhar brinquedos etc., etc., etc.!

Trabalhar com intencionalidade significa tomar decisões deliberadas, com objetivo e propósito. Sejam as decisões tomadas durante os momentos da rotina, sejam as propostas de experiências nas atividades. A intenção está em tudo, e o professor precisa se dar conta disso:

  • quando planeja e organiza materiais e ambientes,
  • nas experiências que propicia às crianças,
  • nas maneiras de planejar a rotina,
  • na escolha das palavras, frases e perguntas,
  • na forma como favorece o agrupamento dos pequenos (grandes grupos, pequenos grupos, em pares, separando as panelinhas, em relação individual com o professor, com ou sem a interferência do educador…),
  • quando direciona as experiências ou quando segue os interesses e propostas dos pequenos.

organizacao-com-intencao-pedagogica

Continue lendo..

Postado em Postura do Professor | Tags , , , , | 6 Comentários

Um roteiro para sonhar e planejar

Atuar com previsão, organização e preparo favorece uma atmosfera mais tranquila e o olhar antenado nas pesquisas das crianças. Fazer um planejamento cuidadoso e atento às demandas e desejos expressos pelas crianças é um passo para conquistar situações como essa.  E um roteiro para planejar pode ajudar a exercitar o ato de planejar.

Para Madalena Freire, reconhecer os limites do contexto e da atuação do professor revela os caminhos do planejamento. São os próprios limites em sintonia com a realidade:

  • O que é possível fazer?
  • Quais os saberes e potencialidades que reconheço no grupo?
  • Quais desafios são adequados à faixa etária e a este grupo?
  • O que eu já sei e o que preciso pesquisar?

Aividade eu experimento pintar - organização do espaço

Madalena ainda fala sobre a liberdade, e talvez uma certa leveza, para atuar quando existe organização e disciplina do educador que “organiza, delimita e direciona a liberdade” de si e do grupo. Assim, pensar no planejamento envolve duvidar, perguntar e se questionar. Que tal experimentar um roteiro de planejamento que busque estruturar sua atuação e as conquistas das crianças?

Continue lendo..

Postado em Coordenação e Gestão, Planejamentos e Atividades | Tags , , , , | 1 Comentário

Acabou a adaptação! Qual o caminho para o planejamento?

Acabou a adaptação. O que eu já sei? O que ainda não sei e preciso saber para trabalhar com os meus pequenos? Que tal planejar uma viagem de aprendizagens com as crianças a partir de um roteiro para refletir? 

imagem 5 crianças na creche

Passada a adaptação, muitas informações puderam ser levantadas pelo professor que:

  • acolheu crianças emocionadas e inseguras;
  • recebeu, conheceu e se relacionou com as famílias;
  • percebeu as primeiras peculiaridades da faixa etária com a qual está trabalhando (se houve mudança!)
  • no meio do turbilhão de sentimentos, observou as características mais evidentes das crianças.

Continue lendo..

Postado em Coordenação e Gestão, Planejamentos e Atividades | Tags , , , , , | Clique para deixar um comentário!

Base Nacional Comum e o pensamento matemático – parte 2

Como a criança interfere e se apropria dos espaços? É possível trabalhar o tempo? As quantidades? E os fenômenos naturais? Como a Base Nacional Comum Curricular aborda o pensamento matemático nas crianças pequenas?

Começando a conhecer o mundo, os bebês e as crianças pequenas iniciam e criam as primeiras aproximações com ele: observam, mexem, jogam, mordem, interagem, investigam…

Post 2 Angela 1

O texto provisório do documento da Base Nacional Comum Curricular também aborda propostas para provocar e desenvolver o campo de Experiências Espaços, Tempos, Quantidades, Relações e Transformações em cada eixo de objetivos:
Conviver,
Brincar,
Explorar,
Participar,
Comunicar,
Conhecer-se

Continue lendo..

Postado em Campos de Experiências, Coordenação e Gestão | Tags , , , , , , , , , | 7 Comentários

Como é a matemática na Base Nacional Comum

Matemática na Base Nacional Comum? Crianças brincam, descobrem possibilidades e pensam hipóteses para explicar o que não entendem, em qualquer lugar e nas creches.

Gosto de observar crianças na rua. E você?
Gosto de olhar as descobertas que fazem quando catam alguma coisa no chão ou sobem nos canteiros e muretas, propondo desafios corporais ao andar, recolher pedrinhas, colecionar folhas…

Angela 1

Nas casas, na rua, e principalmente nas creches, as crianças brincam, descobrem possibilidades, pensam hipóteses para explicar o que não entendem.

As crianças são curiosas e buscam compreender: Continue lendo..

Postado em Campos de Experiências, Coordenação e Gestão | Tags , , , , , , , | 8 Comentários

Planejamento 2016: direções e caminhos

Como pensar nos aspectos mais importantes do planejamento anual para não esquecer o fundamental? Alguma dica ou roteiro? É hora do Planejamento 2016!

planejamento 2016

Três princípios devem guiar o projeto pedagógico da unidade de Educação Infantil:

  • éticos (autonomia, responsabilidade, solidariedade, respeito ao bem-comum, ao meio ambiente e às diferentes culturas, identidades e singularidades);
  • políticos (direitos de cidadania, exercício da criticidade, respeito à ordem democrática);
  • estéticos (sensibilidade, criatividade, ludicidade, liberdade de expressão nas diferentes manifestações artísticas e culturais).
    (Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil )

Continue lendo..

Postado em Coordenação e Gestão | Tags , , , , | 19 Comentários

Base Nacional Comum Curricular: a criança como protagonista

Esta galeria contém 2 fotos.

Vamos refletir sobre mais uma questão levantada no texto provisório da Base Comum: o PROTAGONISMO da criança. Leia a matéria e responda à enquete contribuindo com a sua visão. Continue lendo

Mais galerias | 14 Comentários

Vivências, experiências e os tempos da criança

Balão-Dúvida-pOs tempos da criança, do professor e da escola são os mesmos?
Existem “tempos diferentes”?

Tempo para a pesquisa da criançaPercebemos diferenças importantes nas dimensões temporais das crianças e suas brincadeiras, nos planejamentos dos professores e nos esquemas de funcionamento das creches e escolas. Conhecer e lidar com as características das diferentes demandas de TEMPO, como nas brincadeiras, na organização das rotinas e nos horários da creche e da escola, são questões que atravessam nosso dia a dia.

 

Balão-Dúvida-pPrimeiramente, o que é TEMPO?

Segundo alguns dicionários, TEMPO é a duração dos fatos, é o que determina os momentos, os períodos, as épocas, as horas, os dias, as semanas, os séculos etc.. É a ideia de presente, passado e futuro e o período no qual os eventos se sucedem. Continue lendo..

Postado em Postura do Professor | Tags , , , , , | 7 Comentários