10 sugestões de materiais e brincadeiras para a hora do parque

Existem brincadeiras de parque e BRINCADEIRAS DE PARQUE!
Quem não lembra do prazer e da alegria de brincar na praça e no parquinho da escola? Só de tocar no assunto nosso corpo é preenchido por um conjunto de sensações: liberdade, exploração, desafio, criação, encontro com colegas, sol, vento…  e descobertas. Sim, esse último ingrediente apimentava as brincadeiras e as nossas lembranças. As novidades e a interação com os colegas nos faziam pensar em outras possibilidades e mudavam o curso das brincadeiras da hora do parque. Nestes momentos, a brincadeira desafia o raciocínio, a criatividade e as relações.

Por isso, quando dizemos com tranquilidade “as crianças saíram para o parque e estão brincando e aprendendo”, é preciso entender a qualidade dessas brincadeiras e, consequentemente, das aprendizagens.

Novos elementos e intervenções conferem complexidade à brincadeira. Por isso, a hora do parque, assim como todas as outras horas “rotineiras” de brincadeira, precisam ser observadas e pensadas pelo professor.

Imagine o seguinte: como reage uma criança quando apresentada a um novo material? Ela explora, pesquisa, inventa possibilidades, mostra para os colegas e brinca. Se fizermos isso todo dia com o mesmo material, certamente o tempo de envolvimento e as invenções vão diminuir, até que a criança se desinteresse por completo.

Por mais que o parque seja em si um ambiente grande e repleto de possibilidades, novas provocações representam combustível para as brincadeiras.

Isso não quer dizer que é preciso dirigir o brincar! Mas é preciso intervir com provocações. As crianças são movidas por novos desafios, mas têm a liberdade de aceitar ou recusar o “convite” deixado sutilmente pelo professor.

Preparamos um repertório de sugestões para apimentar a hora do parque. No momento em que o professor compreender os interesses e as demandas de sua turma, o céu é o limite para inventar outras possibilidades!

                   

INTERVENÇÕES PARA A HORA DO PARQUE

1- Espaço transformado

Um tecido estendido no trepa-trepa, uma corda amarrada para dividir o espaço, uma cabana, algumas caixas e caixotes. A simples introdução de um destes elementos transformadores já é suficiente para modificar o espaço e as narrativas das brincadeiras.

cabanas de tecido no parque

2- Circuitos e labirintos

Preparar circuitos ou construí-los com a ajuda da turma. Pneus, bambolês, caixas firmes, cadeiras, bancos, cordas e garrafas pet cheias de água ou areia, podem marcar os espaços e desafiar o corpo a “pensar” para se deslocar. Em muitas instituições, existe um verdadeiro arsenal de objetos construídos pelos professores e pelas famílias para compor os circuitos: pontes, escadinhas, rampas, tuneis, cubos vazios feitos com canos de PVC ou com madeira. Este material vale o investimento e o cuidado para armazenar.

cordas no parque

3- Grandes construções

Materiais volumosos e robustos podem provocar construções grandes e complexas: caixas de leite e de molho de tomate, recheadas com jornal amassado e revestidas com papel kraft, se transformam em tijolos. Pedaços de tábuas e chapas de madeira enriquecem as construções. Caixotes e caixas rígidas, embalagens cilíndricas de papelão utilizadas na indústria e grandes carreteis ampliam as possibilidades. O simples manuseio destes objetos convoca conjuntos musculares e percepção espacial raramente exercitados nas atividades realizadas em sala. Também desperta para a colaboração, uma vez que, para mover e transportar os objetos grandes, é preciso contar com a ajuda dos colegas.

construções no parque

4- Trilhas no chão

Usar o giz de lousa para riscar “ruas” e percursos no chão é uma alternativa à transformação do espaço. As linhas induzem os pequenos a usarem o espaço de diferentes maneiras, criando novos caminhos e aventuras. A fita crepe também pode ser usada para demarcar o chão.

brincadeira de pista

segurador de placaPode-se desenhar diferentes circuitos e deixar que as crianças brinquem somente com o corpo. Em outra ocasião, se a escola tiver as motocas, carrinhos ou bicicletas, introduzi-las na brincadeira. Para os maiores, as “ruas e construções da cidade” podem ter nomes. É interessante criar placas para as ruas e locais que podem ser afixadas em cabos de vassoura ou galhos enfiados em garrafas pet cheias de areia. As placas podem ter desenhos, letras e até palavras, escritas pelo professor ou pelas crianças. Uma ótima oportunidade para trabalhar o letramento.

5- Brincadeiras que desafiam controle e equilíbrio

Atravessar o parque com cuidado para não derramar a água de um copo, caminhar segurando um prato com uma bolinha ou um livro na cabeça, são brincadeiras divertidas que convocam o controle do corpo e da mente. É possível combinar as brincadeiras de equilíbrio com as trilhas riscadas no chão.

6- Brincadeiras de caça ao tesouro e de encontrar objetos

As crianças se acostumam aos elementos do parque e, quando algo novo surge, percebem o que é diferente ou o que está “fora de lugar”. Que tal esconder objetos que não pertençam ao contexto do parque e pedir que os encontrem? Uma camiseta velha, um brinquedo da sala, uma revista, um desenho feito pelos pequenos, fotografias, sandalinhas, pelúcias, embalagens de xampu e outros cosméticos, vassouras, cobertas… pense no contexto da escola e invente suas próprias alternativas. Preparar algumas perguntas amplia o desafio: quem será que escondeu tudo isso? Por que esse material não deveria estar aqui? Por que deixaram esse objeto aqui? Onde esse objeto deve ser guardado?

7- Brincadeiras para os dias de sol e calor…

…para cuidar do espaço e brincar de faxinar: lavar os brinquedos do parque (balanços, escorregador, trepa-trepa, chão, paredes) e os brinquedos utilizados no tanque de areia.

8- Para os dias de chuva…

…que tal colocar alguns recipientes na área externa para coletar a água da chuva? Vamos ver quanta água caiu do céu na bacia? Será que encheu o copinho? Que tal marcar o volume de água com uma caneta e comparar com outros dias de chuva? Este pode ser o início de uma pesquisa sobre o clima!

9- Ciências e brincadeira

balança improvisadaPesquisar o peso de diferentes objetos com cordas ou com uma balança improvisada. Investigar o que flutua e o que afunda em bacias e baldes com água. Descobrir a anatomia de flores, folhas, caules, frutos e sementes. A área externa, em especial os jardins, podem despertar investigações científicas. É só uma questão de intenção do professor para estar atento às novidades que a natureza oferece, chamar a atenção das crianças e convida-las a pesquisar: uma nova flor, uma semente encontrada no chão, a chegada de um inseto, uma lagartixa e a visita de um sapo. O professor pode despertar o interesse com perguntas e permitir que os pequenos continuem a investigação com autonomia.

 

10- Sons

megafone de papelAlgumas escolas têm parques sonoros instalados nas áreas externas. As crianças sempre dão uma passadinha para brincar e produzir sons. Mas é possível ampliar essa pesquisa buscando outras possiblidades sonoras. Qual o som dos tubos da estrutura do trepa-trepa? E do balaço? E do tronco da árvore? Colheres de pau e pedaços de cabo de vassoura podem fazer as vezes das baquetas.

A própria voz também promove investigação sonora. Que tal construir megafones com cartolina e sair gritando por aí? Os velhos “telefones” feitos com barbantes, mangueiras, copinhos e latinhas favorecem brincadeiras divertidas e interessantes.

TelefoneLata-300x225

Estas 10 sugestões demandam do professor diferentes níveis de intervenção e envolvimento na condução da proposta. É só uma questão de refletir sobre as informações colhidas nas próprias brincadeiras das crianças e pensar em estratégias para contribuir.

Em geral, simples atitudes transformam e apimentam as brincadeiras. Uma boneca levada para a área externa pode atender os anseios da brincadeira de casinha. No CEI Aníbal Difrancia, SP, uma menina descobriu um pequeno buraco no chão de terra do parque. Intrigada, começou a cavar e inspirou outros colegas a aumentarem o buraco com as próprias mãos. No dia seguinte, a professora levou pazinhas e colheres para ajudar na escavação. Depois, notou que a brincadeira tomou novos rumos e o desafio passou a ser o transporte da terra arenosa para o tanque de areia que se encontrava vazio. Assim, a professora providenciou potinhos e baldinhos para ajudar na coleta. Hoje o buraco está imenso e é um novo “brinquedo” do parque.

O importante é compreender que as crianças aprendem brincando, mas a qualidade das brincadeiras tem influência direta na qualidade das aprendizagens.

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

PARA SABER MAIS…

Leia mais sobre o brincar e a hora do parque nas postagens:

Postado em Brincar e Aprender, Planejamentos e Atividades e tags , , , , , . Marcado com permalink.

6 Comentários para 10 sugestões de materiais e brincadeiras para a hora do parque

  1. Sou professora de Educação Infantil há muito tempo.Já fui coordenadora Pedagógica e estou em sala de aula novamente. Estou encantada com as postagens de vocês pois são muito esclarecedoras e trazem exatamente o que precisamos no momento.Devido à tantas mudanças, às vezes nos sentimos “perdidas”.Agradeço as sugestões e idéias….

  2. Sou Coordenadora de escola Infantil, atualmente. Fui formadora do PNAIC, estou em busca de saber mais e trabalhar na escola contemplando os Campos de Experiência…. amo…. sugestões. Muito bom tudo o que vocês trazem.

    • Olá, Carla. Obrigada pelo retorno. Você encontrará várias sugestões em relação aos Campos de Experiência acessando a Lista de postagens reunidas por temas (o link está na lateral direita da página). As postagens publicadas sobre a BNCC estão ali reunidas como, por exemplo: Experiências e campos: o que a Base Nacional quer dizer com isso? – PARTE 1 e Campos de experiências e objetivos da atividade: o que pensar sobre isso? – PARTE 2. Boa pesquisa. Abraço

  3. Alessandra Lombardi diz:

    Queridxs,
    Acompanho o trabalho de vcs, já faz algum tempo.
    Até nos encontramos em alguns eventos por aí…
    As postagens sempre me surpreendem e me levam a pensar!
    Uso muuuuuuuito o material do blog com minhas professoras.
    Acho importante falar que vejo o trabalho de vcs amadurecendo e ganhando robustez.
    Parabéns!!! Vcs fazem a diferença!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *