Por que Heloísa? ensina-nos a repensar o conceito de deficiência

Cristiana Soares, mãe e autora de Por que Heloísa? conversou com a equipe do Tempo de Creche. Cristiana nos conta na sua forma objetiva e direta por que não ter medo de ter um aluno com deficiência em sala de aula.

Por que Heloisa

 

Tempo de Creche – Muitos professores têm receio em ter um aluno com deficiência em sala de aula, como você vê esta situação?

Cristiana – Acho que o principal é dizer a eles que, como qualquer outra, uma criança com deficiência é ÚNICA. Mesmo se compararmos duas com o mesmo tipo de deficiência. Cada uma tem uma história individualizada.

Portanto, a primeira coisa a se fazer é conhecer a criança. E isso só pode acontecer no dia a dia. Com calma, procurando ter a mente aberta e procurar ver a criança antes da deficiência dela.

Ela tem uma personalidade, um jeito próprio, uma família própria. Conversar com essa família. Saber como é em casa. Conhecer o histórico dessa criança. E, a partir daí, encontrar soluções cotidianas para lidar com as limitações e talentos dela (pois sempre há talentos para serem descobertos também). Do que ela gosta, do que ela não gosta. Como negociar com ela.

Tempo de Creche – E se ocorrer um atrito com outra criança?

Heloisa e as criançasCristiana – O mesmo vai acontecer com os amigos, as outras crianças da sala. Mediar as relações, em alguns momentos, mas não se tornar uma parede entre essa criança com deficiência e as outras. Deixar que elas se relacionem entre si. Deixar que se aproximem naturalmente. Deixar que se “intrometam” nos problemas, porque muitas vezes as soluções virão das outras crianças que estão atentas.

Deixar que as que não querem se aproximar fiquem à vontade. Cada um reage e se comporta de um jeito. Ninguém agrada a gregos e troianos. A criança com deficiência aprenderá a lidar com a rejeição também, caso ela ocorra.

Concluindo: deixar fluir no dia a dia.

Aposto que em pouco tempo o medo vai embora. E é claro: os desafios sempre existirão a cada etapa. Então o professor só tem que agir como ele agiria com outras crianças. Cada um com suas particularidades.

Por tudo que citei acima, fica entendido que não há como se preparar para a inclusão, o que muitas escolas alegam. Com exceção das barreiras arquitetônicas, essas sim podem ser preparadas, todo o resto só se aprende na prática diária.

Como diria Paulo Freire, o caminho se faz ao caminhar.

barrinha colorida fininha

 

Balão Para Saber MaisPesquise e leia – Saberes e Práticas da Inclusão – Educação Infantil
Visite –  Projeto Por Que Heloísa?  
Curta a página no Facebook – Por que Heloísa?  
Pesquisa sobre legislação – Inclusão Já!     Nesta página, você poderá conferir toda a legislação e documentos que embasam a Política de Educação Inclusiva no Brasil
Veja o filme curta metragem animado – Por Que Heloísa?
 

barrinha colorida fininha

 
 
 
9788574062891O livro Por que Heloísa? faz parte de um projeto transmídia que tem como tema principal o universo de Heloísa, uma menina de 7 anos muito carismática, que tem paralisia cerebral. Através de diferentes ferramentas e plataformas de mídia, Por que Heloísa? combina arte, educação, engajamento e entretenimento.
 
O livro, lançado pela Companhia das Letras, nos  os primeiros anos de Heloísa no convívio familiar e suas aventuras na cidade.
 
O filme curta-metragem em animação relata a chegada de Heloísa na escola e sua interação com os novos coleguinhas.
 
 

barrinha colorida fininha

 

Cristiana Soares

Criastiana SoaresEscritora e profissional da área da comunicação, formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Foi criadora dos produtos culturais do projeto Por que Heloísa?, em sua primeira e segunda fases: o livro, o curta-metragem, o documentário e o audiobook.

 

Postado em Palavra da prática, Postura do Professor e tags , , , . Marcado com permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *