Professoras sabidas: seis dicas práticas para a adaptação

A adaptação dos pequenos na creche é motivo de ansiedade para pais, equipes pedagógicas e crianças. Temos muita pesquisa e fundamentação que precisa ser estudada, refletida e experimentada pelos professores para alicerçar o trabalho nessa etapa. O Tempo de Creche tem publicado uma série de postagens que valem a visita.

Mas alguns professores desenvolvem práticas comprovadas pela experiência que ajudam e podem inspirar outros profissionais. Vamos a seis delas:

criança no colo da mae 21- Na hora da chegada à creche, se a criança estiver no colo da mãe ou do responsável, NUNCA tire ela diretamente do colo! Não faça o papel de quem separa o pequeno de sua mãe! Peça para o responsável colocar a criança no chão e aí você pode pegá-lo e colocá-lo no seu colo.

 

criança no colo da mae 12- A mãe ou responsável não deve perguntar para a criança se pode ir embora. É obvio que, na maioria das situações, a criança vai responder que não! A dica é comunicar com clareza e segurança que está na hora de ir embora e que voltará para buscar o pequeno na hora combinada. Simples e sinceramente!

 

livros com história de mãe3- Esqueça a palavra “mãe” depois da despedida! Com sua equipe, combine um código para poder utilizar essa palavra sem chamar a atenção dos pequenos. Pode ser “progenitora”, “M” etc.: a progenitora do Caio já chegou para buscá-lo! A M da Alice está no telefone! Alguns professores evitam até músicas, histórias e livros com o tema ou a palavra “mãe”.
Muitos pequenos, ao ouvir “mãe”, mesmo estando tranquilos ou focados numa atividade, relembram a separação, a ansiedade de esperar pela mãe e começam a chorar.

biscoito de polvilho e uvinha

4- Caixas de surpresas saborosas são outro artifício para provocar e desviar o foco da “tristeza” da separação. Prepare caixas de surpresas com um pouquinho de biscoito de polvilho ou uvinha sem caroço (se não houver alergias a estes alimentos) e deixe à mão para os momentos de necessidade. Um pacote de polvilho rende muitas caixinhas! O recurso é tão potente que as crianças aprendem a fazer uso do truque. Então, depois da fase da adaptação, você precisa “desmamar” a surpresa saborosa. Faça caixas com brinquedinhos ou materiais interessantes para mudar o estímulo e aumentar a curiosidade.

Desenhos na parede5- Imagine que você mudou de casa. Chega no novo espaço e precisa construir sua identidade. Carrega sua mobília e os objetos que lhe são mais queridos e úteis e começa a enxergar o ambiente como seu. Mas isso é só o início! À medida que vai habitando, vai colecionando e acrescentando novos objetos significativos que, aos poucos, vão contando a sua história no local. Com os pequenos, na nova sala, é a mesma coisa! Então, desde o primeiro dia, vá carregando as paredes com as marcas PRODUZIDAS PELAS CRIANÇAS! Nada de decorações de fora ou padronizadas! A história do ambiente deve ter as marcas das crianças. Coloque nas paredes os primeiros rabiscos, a folhinha que um dos pequenos trouxe do jardim, faça cópia das imagens dos livros que você começou a trabalhar … e assim por diante.

brinquedo na embalagem6- Sabe aqueles brinquedos novos que geralmente são comprados no início do período letivo? Deixe para abrir os pacotes, aos poucos, com as crianças. É uma forma de instigá-los para as surpresas da escola e começar a trabalhar o pertencimento: olha, esse brinquedo é nosso! Nós ganhamos!

Esses aprendizados valiosos foram compartilhados pelas professoras Talita Freitas e Liliane Oliveira, pela atelierista Claudia Ferrari El Bayeh e pela diretora Benedita Machado de Mello (Benê).

Você tem outras dicas? Escreva para a gente e compartilhe com os colegas!

Balão-Para-Saber-MaisLeia mais sobre adaptação nas postagens:

Postado em Desenvolvimento Infantil, Palavra da prática, Postura do Professor e tags , , , , , , , . Marcado com permalink.

6 Comentários para Professoras sabidas: seis dicas práticas para a adaptação

  1. Isabella Pacífico diz:

    Outra ideia é pedir para a família trazer uma foto e quando a criança estiver chorando muito, pedindo pelos pais, mostrar a foto da família e dizer que eles vão voltar. A foto trás mais segurança para a criança e as consola no momento de choro constante. Obs: esse deve ser um recurso para se adotar com crianças que estão tendo dificuldade na adaptação.

    • Isabella,
      Ótima dica, obrigada por compartilhar!
      Algumas professoras, no entanto, acham que funciona mais um “distanciamento” momentâneo das referências da família para integrar a criança ao contexto da escola. Elas acham que dá mais certo. Outros educadores, como você, percebem na prática o contrário, que disponibilizar as referências familiares traz mais conforto para os pequenos. Nesse quesito não há certos e errados! É uma questão de ter repertório e testar as estratégias.
      Grande abraço!

  2. Alba diz:

    Olá!!! Gostei muito das dicas. Poderia acrescentar as cantigas como aliadas neste processo . Cantar para e depois, com as crianças, as deixam mais tranquilas e a regularidade as ajudam a se sentir mais seguras.

  3. Parabéns meninas! Como sempre vocês apresentam dicas simples e práticas que facilitam a vida dos profissionais de educação! Grande abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *