Atividades que “dão certo” e que “não dão certo”: o que pensar desta classificação?

Ultimamente tenho ouvido a expressão deu certo para qualificar atividades, projetos e propostas oferecidas às crianças da educação infantil.
O que isto quer dizer?
O que esta expressão esconde?
Quais pensamentos pedagógicos estão por trás desta classificação?

Nos nossos momentos de formação, ouvimos muitos professores avaliarem suas propostas com as expressões deu certo, deu tão certo, não deu muito certo… Fiquei intrigada com as colocações e fui investigar.

Conversando com os docentes, percebi que quando uma atividade dá certo, ela implica em situações de envolvimento das crianças no que é proposto, adesão da maioria, produção de um produto final que atenda às expectativas do professor, pouca agitação e momentos de diversão. Será que dar certo é isso? Uma atividade precisa dar certo? As atividades devem divertir? O que pensar quando dá errado?

Convido você a refletir sobre estes questionamentos!

1. Quando um planejamento dá certo, ele provavelmente atingiu os objetivos estabelecidos. O que me leva a perguntar: quais objetivos foram pensados para as propostas? Objetivos pedagógicos envolvem expectativas de APRENDIZAGEM. Especialmente depois da BNCC, temos mais clareza sobre as aprendizagens que são esperadas para as crianças de 0 a 6 anos. Desse modo, ao avaliar a atividade, o professor precisa partir das aprendizagens das crianças e dos objetivos imaginados por ele no planejamento.

2. Para verificar se a atividade deu certo, o olhar do professor durante a proposta fornece indícios do resultado. Porém, só a reflexão sobre os registros pode revelar se as situações de aprendizagem ocorreram, quais crianças apresentaram avanços e fragilidades e como tudo aconteceu.

3. Atividades planejadas a partir da escuta das crianças, isto é, que atendam aos seus interesses e necessidades, sempre dão certo. Porque as propostas que partem destes princípios são experiências pedagógicas responsáveis, a serem avaliadas e encaminhadas. Por outro lado, as propostas planejadas a partir de objetivos de aprendizagem e desenvolvimento que não deram certo, podem indicar que interesses, habilidades e demandas das crianças não foram totalmente compreendidos e considerados pelo professor.

4. Atividades que contemplam as crianças com propostas lúdicas, desafiadoras, instigantes e adequadas às suas habilidades, sempre dão certo. A questão é que o professor precisa estar aberto às contribuições dos pequenos e valorizar e permitir seus questionamentos, criações e percursos… isso é sinal de potência, desenvolvimento e aprendizagens.

5. Quando a proposta assume rumos inesperados, ela continua na esfera do deu certo se o professor souber se posicionar frente aos objetivos planejados. O que quer dizer? Significa que o professor que pauta a intenção pedagógica nos objetivos de aprendizagem, se planeja com estratégias que provocam as crianças e as convidam para viver experiências que favoreçam o desenvolvimento das habilidades previstas no planejamento. Mas, se o inesperado acontecer, o professor vai encarar a atividade como um aprendizado para sua própria prática e para repensar suas estratégias. O que dá errado é o que nos movimenta e nos faz pensar. É bom lembrar do que diz Madalena Freire: o professor não aprende com o aluno, ele aprende com as práticas que desenvolve com seus alunos. Professor é professor e aluno é aluno.

Por isso, dar ou não dar certo é uma generalização que pode esconder conceitos equivocados da prática pedagógica. No lugar de dar certo e não dar certo, gosto mais de pensar em “objetivos planejados que foram contemplados” e “surgimento de outros caminhos e aprendizagens não previstas”. Planejamentos, registros cuidadosos e reflexões transformam “dar certo” e “dar errado” em pesquisa da intencionalidade pedagógica e da prática aberta aos conteúdos das crianças.

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

PARA SABER MAIS…

Diversas postagens do Tempo de Creche sugerem instrumentos para planejar, registrar e refletir sobre propostas. Também falamos sobre aprendizagens nas postagens sobre os campos de experiências apontados na BNCC. Elaboramos inúmeras tabelas que organizam o desenvolvimento infantil a partir da neurociência e de Wallon. Na área destinada aos assinantes do blog Tempo de Creche é possível ler esse material e fazer o download para salvar e imprimir. Se você ainda não é assinante, é só clicar no ícone “cadastrar”, na home,  e preencher os campos indicados com nome e e-mail. É GRATIS!

 

Postado em Planejamentos e Atividades, Registros e Documentação e tags , , , , , . Marcado com permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *