Pinceis da natureza: experimentando um mundo de texturas, formas e cores

Os pátios, praças, quintais e calçadas costumam ficar repletos de folhas, flores, sementes e até frutos em diversas épocas do ano. Quando as crianças passeiam por eles, gostam de colecionar estes elementos naturais, enchendo os bolsos e os baldinhos! Este material interessante pode ser utilizado num projeto de meio ambiente. O Tempo de Creche revisita uma proposta que agrega elementos da natureza à experimentação de texturas, forma e cores nas descobertas e muita brincadeira.

folhas no chão

 Para começar …

balc3a3o-dicaEsta experiência pode levar uma semana ou mais! Você pode fazer seu planejamento semanal com ela. Você pode desenvolver esta experiência tanto com crianças pequenas (1 a 2 anos), como maiores (2 a 5 anos)

 
parte 1
 
 parte 2
 

 O fazer… crianças, o educador, espaço e tempo

Professor, sugerimos uma estrutura para as atividades, pensada em três momentos:
1o momento: Despertar para atividade
2o momento: Explorar o material
3o momento: Acabando a brincadeira suavemente…
 

Primeira parte

DESPERTAR PARA A ATIVIDADE

Programe um passeio ao pátio da creche (se existirem plantas nele), ao quintal, a um jardim, praça próxima ou calçada com plantas. Entregue uma sacola ou baldinho para cada criança. Proponha que as crianças escolham e recolham tudo o que acharem interessante: folhas, flores, sementes e gravetos com cores, formatos, tamanhos e texturas diferentes (figura 1). Se não for possível realizar a coleta com as crianças para estimulá-las, despertar o espírito investigativo e a curiosidade, solicite às famílias a coleta destes materiais, orientando-as de que é importante fazer com as crianças.

folhas no chão aOrganize o momento da atividade em sala, já com os materiais coletados. Faça uma roda e compartilhe o que foi selecionado. Coloque-os no centro, sobre um tecido ou uma folha de papel kraft para constituir o foco da atenção. Para puxar o assunto, pergunte se as crianças reconhecem o que está no centro da roda, se já viram, se já pegaram. Dê voz à garotada.

EXPLORAR O MATERIAL

Depois que as crianças já se manifestaram, falaram, contaram seus causos e estiverem ansiosas para mexer nos materiais, convide a todos para explorar livremente. Não se preocupe se algumas folhas e vegetais mais delicados se quebrem durante a manipulação, isso faz parte da pesquisa.

Você pode provocar a exploração propondo desafios (conforme a faixa etária do grupo):

    •  Quem encontrou um galho?
    •  Quem encontrou uma folha?
    •  Que cor é a folha?
    •  Quem viu as sementes/flores? Como são as sementes/flores?
    •  Será que as sementes fazem barulho?
    •  Vamos passar as folhinhas na nossa pele? Elas são lisas? São ásperas, vocês gostam? E se uma criança passar na outra? E se passar em outras partes do corpo?

balc3a3o-dicaAguardar o gancho das crianças, isto é, quando alguma delas descobrir que podem fazer barulhos ou explorar os materiais de outras maneiras, colocar a experiência em evidência para o restante do grupo. Dessa forma, a descoberta e o interesse terão partido das próprias crianças e você, educador, será o mediador da experiência.

Observe o que as crianças fazem e perceba como estão participando. E registre! Esse material pode servir como pista para as próximas propostas!

ACABANDO A BRINCADEIRA SUAVEMENTE …

Quando as crianças demonstrarem estar satisfeitas com a vivência, convide a guardarem os materiais em algum caixote ou cesto. Você pode cantar uma música, fazer uma ciranda ou contar uma história para finalizar.

Veja a História da Folhinha de Outono, na seção Projetos e Atividades.

Segunda parte

Oficina Escola que Vale

 

DESPERTAR PARA A ATIVIDADE: fazer pincéis e pintar!

Em outro dia você pode organizar a atividade da confecção dos pinceis e da pintura (pode fazer as duas no mesmo dia ou em dias consecutivos). Apresente novamente para as crianças as plantas coletadas e deixe que elas explorem e brinquem um pouquinho (brincar para se familiarizar com o material).

Investigue o que as crianças acham que poderiam fazer com esses materiais na sala. Deixe que a garotada se manifeste. Se alguém sugerir pintar, agarre o gancho e coloque a ideia de fazer os pinceis com as plantas. Do contrário, provoque a ideia. Uma sugestão é fazer gestos e perguntar se o grupo acha que seria possível pintar com o material. Colha as sugestões das crianças e peça que mostrem como fariam.

EXPLORAR E DESCOBRIR

Encaminhando a atividade, mostre um pincel de verdade e pergunte o que acham de fazer pinceis com o material coletado.

atividade-pinceis-de-outono

Crianças de 2 a 5 anos

Peça para as crianças criarem os pinceis: juntarem punhados de folhas duras, folhas de pinheiros etc..  Ajude passando um elástico ou um arame, prendendo-as nos galhos. Galhos grossos com tocos e sementes grandes podem ser usados como estão, e podem também ser usados como carimbos. (figura 1). Pinhas e sementes menores você pode colar com cola quente nos gravetos.

balc3a3o-dicaSe os gravetos não forem suficientes ou não forem firmes e adequados para fazerem as vezes de cabos de pincel, você pode usar outros materiais citados na tabela.

Prepare as tintas coloridas em bandejas com antecedência. Nesse caso, as bandejas permitem que as crianças passem os pincéis, de forma a explorar os movimentos ao carregá-los de tinta. Forrar o chão com lona plástica é uma boa ideia para ajudar na arrumação.

Coloque as folhas de papel ou jornal nas mesas ou no chão. disponibilize os pinceis recém feitos  e … mãos à obra! Vale carimbar, vale passar o pincel, vale desenhar, vale um pouco de tudo!!! Só não vale não brincar! (figuras 2 e 3)

Observe o tempo de interesse do grupo e, ao final da exploração, coloque os trabalhos para secar.

*observação: dependendo da tinta e de sua quantidade, ao pendurar o trabalho esta pode escorrer… ficar atenta e ter espaços alternativos preparados para que as produções sequem.

Crianças de 1 a 2 anos

Com as crianças menores você deve trazer alguns pinceis já prontos e deixar para fazer alguns mais simples com a ajuda delas.

Para que explorem as possibilidades dos diferentes pinceis, um material interessante é a espuma de barba ou uma espuma consistente de sabão, que pode ser feita batendo água com detergente no liquidificador. Se não conseguir estes materiais, você pode fazer um mingau ralo de farinha ou maizena. Adicionar à espuma e ao mingau corantes alimentícios vai transformá-los em tintas coloridas!

Coloque uma quantidade suficiente para que permita muita exploração e brincadeira em cada recipiente e entregue um para cada criança. Deixe os pinceis dispostos ao alcance do grupo e estimule-os a experimentar os materiais, primeiro sem os pinceis (figura A) e, depois com os diferentes pinceis naturais (figura B).

Uma ampliação dessa atividade, para todas as faixas etárias, é a mistura dos materiais de pintura: espuma/mingau e tintas (figura 4).

ACABANDO A BRINCADEIRA SUAVEMENTE…

cabosAs crianças podem também decorar os cabos dos pincéis, por exemplo, dar outra textura e cores com fios coloridos, enrolando com cores diferentes.

Para finalizar, convide as crianças para arrumarem a sala, levando caixas ou sacos plásticos para que joguem as bandejas de tinta dentro (se forem descartáveis), e dando paninhos ou papel toalha para passarem nas mesas. Por incrível que pareça, elas adoram a brincadeira de arrumar, aprendem com ela, desenvolvem a autonomia e você conquista ajudantes fiéis!

balc3a3o-dicaExponha os trabalhos (depois de secos) na altura dos olhos das crianças para que elas possam apreciar, lembrar e se reconhecerem nas produções. Ao contrário de muitas crenças, elas não rasgam os trabalhos e tem grande respeito por eles!

Você pode amarrar os pinceis num barbante (como num varal) e pendurar na sala ou junto com os trabalhos. Os pincéis são parte desta vivência e da memória. Registros em fotos também trazem a lembrança do ocorrido.

Balão-Para-Saber-MaisPara conhecer um pouco mais sobre os registros na Educação Infantil, acesse a postagem Por quê fazer registros?; Registro fotográfico: muito mais do que documentar!Registro e Documentação Pedagógica: da dor de cabeça ao papo cabeça; Planejamento, Registro e Reflexão organizados em duas práticas tabelas!

Para conhecer sobre possibilidades de trabalhar com elementos da natureza leia o post Apareceu Lagartixa na creche? Que tal transformar o fato no Projeto Lagartixa?  Uma conversa com Anna Marie Holm: arte, natureza e a poesia da infancia

Postado em Criança e Natureza, Planejamentos e Atividades e tags , , , , , . Marcado com permalink.

3 Comentários para Pinceis da natureza: experimentando um mundo de texturas, formas e cores

  1. georgina santana gomes diz:

    Adorei as atividades irei aproveitar todas com minha galerinha

  2. Rosi Batista diz:

    Adorei esta proposta. Trabalhos com crianças de 15 meses e vou explorar com elas. Obrigada meninas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *