Atividades para bebês: Caixas Temáticas

Oferecemos uma grande quantidade de informações sobre Neurociência e desenvolvimento de bebês de 2 a 6 meses na postagem Neurociência, aprendizagem e desenvolvimento infantil – 2 a 6 meses . Abordamos:

  • como os bebês conhecem e aprendem sobre o mundo,
  • como interagem e se expressam e
  • como se relacionar com eles para conhecê-los e trabalhar no seu desenvolvimento
    E agora? O que fazer com essas ideias?

O desafio do educador é estar preparado para ir ao encontro dos interesses do bebê na sua singularidade. Nesse sentido, precisamos perceber os pequenos, registrar seus percursos e arranjar tempo para fazer tudo isso com qualidade na correria da rotina

Desse modo, os conteúdos da Neurociência servem como referência para conhecer os bebês do grupo e como orientação para a escolha, organização dos espaços, materiais e elaboração de propostas adequadas.

atividades sensoriais para bebês

A organização de CAIXAS TEMÁTICAS com objetos separados e agrupados por temas e qualidades sensoriais é um recurso que pode provocar  nos bebês pesquisas e deflagrar situação de aprendizagem. É uma forma enriquecedora de desafiar os pequenos e observar os percursos das conquistas que vão se revelando.

caixa sonora temática para bebêsCaixas Temáticas para bebês

Como organizar essas caixas?

Definindo o foco. As caixas podem conter objetos para provocar mais intensamente um dos sentidos ou instigar pesquisas sensoriais mais amplas. Assim, a organização das caixas pode ser flexível e é possível reorganizá-las à medida que se observa os interesses e necessidades dos bebês.

Muitos focos para brincar e aprender:

  •  Objetos instigantes para o TATO – temperatura, pressão, texturas para o tato fino e o tato grosseiro, vibração, tamanho (não menor que 5 cm) e diversidade de materiais.
  • → Objetos Vibrantes para a AUDIÇÃO – repertório de músicas e canções e pequenos objetos sonoros que possam ser manipulados pela criança e pelo professor.
  • → Objetos curiosos para a pesquisa com a VISÃO – cor, formato, luz, sombra, maleabilidade, em movimento, transparentes, opacos e reflexivos (espelhos). Lembrar que não é interessante sobrecarregar o campo de visão dos bebês porque eles podem ver tudo ao mesmo tempo e não focar em nada! Os bebês que permanecem deitados podem ser estimulados com objetos pendurados como móbiles. É possível amarrá-los em hastes, traves, cabides e varais, com barbantes e elásticos.
  • → Objetos cativantes para o OLFATO – criar pequenos sachês de tule, morim ou crochê com ervas aromáticas: erva-doce, camomila, marcela, lavanda, canela, cravo, capim limão, cheiro de talco, cheiros de frutas etc.. Também é interessante separar alguns dos materiais da hora da troca para produzirem uma boa conversa durante a higiene:  você está sentindo o cheiro do creme? E a fralda, tem perfume? Vamos sentir?
    Objetos de casa, pano da naninha e roupa da mamãe também têm cheiros e os bebês reconhecem.
    Observação: os incensos podem ter componentes prejudiciais na fumaça. Evitar o uso.
  • → MOVIMENTO – as ações motoras das crianças vão acontecer à medida em que trabalhamos os sentidos com os objetos das caixas:
      • colocar os bebês no chão.
      • deixar os objetos no campo de visão e ao alcance dos pés e das mãos.
      • quando perceber que tentam rolar, posicionar os objetos um pouco mais distantes.
      • se já sustentam a posição sentada, os objetos podem estar ao redor e até mesmo dentro da caixa para que provoque mais descobertas.

Questões para encaminhar a prática com bebês de 2 a 6 meses

1-   Garantir um tempo individualizado de pesquisa e descobertas.
2-   Repetir a introdução dos materiais com frequência, ao longo dos dias, até perceber que as pesquisas se esgotaram. Mas isso não quer dizer que os materiais devam desaparecer! À medida que os bebês crescem, outras percepções e interesses vão amadurecendo. Assim, é recomendável introduzir a mesma coleção de objetos alguns meses depois.
3-   Registrar o percurso desse trabalho com fotos e anotações. Esse registro é importante para conduzir o planejamento individualizado do trabalho com os bebês. Para aproveitar todo o potencial deles é imprescindível saber quais objetos são interessantes para cada um, quais já foram muito pesquisados e quais apresentam dificuldades de exploração. Essas informações não podem ser creditadas somente à memória do educador. Elas precisam ser fotografadas, anotadas, retomadas e refletidas.

Captura de Tela 2016-05-03 às 15.05.34

Por natureza, bebês são muito interessados e curiosos com o que acontece à sua volta. Esse é um tempo delicioso de descobertas e amores! Os bebês trazem novidades todos os dias aos olhares atentos de quem os cuida. E isso enche nossos corações… Que incrível perceber que dia a dia crescem, aprendem e conquistam o mundo!

atividades caixas sensoriais para bebês

 

maria_headshot.@1xCaixas Temáticas para provocar as sensações estão relacionadas à crença da médica e educadora italiana Maria Montessori (1870-1952). Para ela, a criança conhece e aprende sobre o mundo a partir das próprias mãos. São as experiências concretas, autônomas e sensoriais que ensinam.  Assim, as crianças tem a capacidade de ensinar a si próprias se organizarmos o espaço, os materiais e o tempo para que isso possa acontecer.

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

PARA SABER MAIS
Leia mais sobre Neurociência e desenvolvimento infantil nas postagens:

Postado em Brincar e Aprender, Registros e Documentação, Tempo, Espaço e Materiais e tags , , , , , . Marcado com permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *