Um roteiro para começar registro e planejamento – parte 2

Planejamento Registro e Reflexão

Na primeira parte desse post abordamos o olhar para o Registro. Pensamos num roteiro para orientar a percepção do que registrar durante o desenvolvimento das propostas:

  • perceber o grupo no coletivo
  • olhar as crianças individualmente
  • notar o aproveitamento de espaços e materiais
  • identificar as pesquisas, interesses e contribuições das crianças

Propomos o desafio de experimentar seguir o roteiro e realizar anotações sobre as atividades que o professor já tivesse planejado. 

 

Ficha de Observação

Nessa segunda parte vamos completar a reflexão sobre o registro e planejamento: como utilizamos as informações registradas? Como damos encaminhamento aos conteúdos que levantamos nas observações?

Cá entre nós… será que é tanto trabalho só para fazer os relatórios que entregamos para os pais e a coordenação?

Depende!

Se as suas anotações forem parar num cofre ou numa caixa fechada, que ao final do semestre a camada de poeira vai provocar rinite, então seu trabalho só justifica a burocracia dos relatórios sem significado.

Por outro lado, se ao final da semana, quando você for fazer o planejamento de atividades, acessar seus registros para dar encaminhamento sobre aquilo que PENSOU e REFLETIU, então suas anotações valerão ouro! Porque seu planejamento vai fluir, seu trabalho pedagógico vai estar cada vez mais adequado aos interesses e necessidades das suas crianças e o amadurecimento e desenvolvimento delas vai ser uma realização!

Balão na PráticaRoteiro para começar a refletir sobre os registros

O que eu posso refletir

Com o registro dos fatos em mãos, seu olhar já passeou pelas ações, emoções e descobertas das crianças. Sua atenção também percebeu as relações, os conteúdos que surgiram e as conquistas. Assim, é hora de Refletir sobre tudo isso!

Ficha de Reflexão

Balão numero 1Olhar para o coletivo

Como o grupo se comportou diante da proposta?

  • Quantos se envolveram de fato e quantos fizeram outras atividades?
  • Que ajustes devo fazer no tempo de duração para a próxima vez?
  • Como foi a introdução (o despertar para o tema), o desenvolvimento (o explorar e descobrir) e a finalização da proposta (acabando a brincadeira suavemente)? Para saber mais sobre essa questão acesse o post Educação Infantil: planos e propostas. O que pode ser mudado e o que deve ser repetido? Que ajustes devo fazer na estrutura da proposta?
  • Quais aprendizados ocorreram com mais frequência?
  • Quais dificuldades surgiram no grupo?
  • Quais encaminhamentos estas informações indicam?
    • Comportamento
    • Aprendizagem
    • Dificuldade

Balão numero 2Olhar para o individual

  • As crianças selecionadas para a observação foram acompanhadas durante a atividade? O que foi registrado?
            • Dificuldades nas ações, de relacionamento, de entendimento etc.
            • Conquistas
            • Participação
            • Autonomia
  • O que posso trabalhar/desenvolver individualmente com as crianças observadas?
  • O que posso trabalhar/desenvolver com todas as crianças a partir da observação individualizada?
  • Como posso trabalhar as dificuldades e conquistas identificadas?
  • Quais crianças serão observadas no próximo período ou na próxima proposta?

Balão numero 3Olhar para o uso dos espaços e dos materiais

  • O espaço escolhido para a atividade foi adequado? Ele enriqueceu? Fez diferença? Pode-se pensar em outro espaço para repetir a proposta com novos estímulos?
  • Os materiais utilizados foram adequados aos objetivos?
  • Quais espaços e materiais “prenderam” as crianças na exploração? Como se deu essa exploração e pesquisa?
  • Quais espaços e materiais não foram suficientemente explorados e podem ser repetidos?
  • Como contribuir para a ampliação da pesquisa e experimentação dos materiais e espaços, modificando, trazendo novos elementos etc.?
  • O que precisa ser ajustado para contribuir com uma autonomia segura de exploração?

Balão numero 4Olhar para os interesses, pesquisas e contribuições das crianças

  • As crianças apresentaram interesses e pesquisas que podem ser aprofundadas? Quais foram? Quais crianças trouxeram as contribuições?
  • Esses interesses foram compartilhados por outras crianças?
  • Quais interesses vêm se repetindo?
  • Quais temas foram mais solicitados e permitem desenvolvimentos:
    • na ampliação da proposta apresentada
    • em projetos específicos
  • Quais temas podem ser ampliados com algumas das crianças (interesses individuais)?

Essas informações pensadas e refletidas vão constituir a matéria prima para os próximos planejamentos. Sabendo as necessidades e interesses das crianças por exemplo, fica mais fácil pesquisar e criar as próximas propostas de atividades. Entendendo as dificuldades de cada criança é provável que o professor consiga prever os comportamentos e as formas de contornar situações de estresse, apresentando, por exemplo, alternativas de materiais e atividades para pequenos grupos.

Mas uma pergunta ainda fica no ar…

… Qual formato de anotação devo utilizar para realizar meus registros e reflexões?

E nós respondemos com segurança:

Que tal CRIAR O SEU?

Porque esse vai ser o seu território, o seu espaço, uma extensão da sua própria cabeça pensante!

atividade Etapa Despertar para o tema

atividade Etapa Explorar e Descobrir

atividade Etapa Acabando a brincadeira suavemente

Veja, professor, você NÃO COMEÇARÁ NADA DO ZERO! Você já tem uma série de propostas pensadas e, provavelmente, já experimentadas. Desenvolva-as! Mas desafie-se a registrar! Faça anotações sobre o que vê, percebe e sente … no seu coração! Vai ser verdadeiro e, por isso, valioso para o seu trabalho. Depois, arrisque-se a ler essas notas. Deixe-se levar pela emoção de ser transportado de volta para os momentos da atividade. Veja como você foi capaz de colocar isso no papel! E, finalmente, permita-se pensar no que aconteceu. Sem auto-censura, pergunte-se: a atividade valeu? Em que ela valeu? O que posso fazer para que melhore? Eu “ouvi” e “vi” as crianças? Posso incluir o que elas me trouxeram?

ARRISQUE! É satisfação garantida!

Balão Para Saber MaisPosts já publicados sobre Registro e Planejamento:
Na prática: a documentação pedagógica, relatos, registros e reflexões
Registro e Documentação Pedagógica: da dor de cabeça ao papo cabeça
Por quê fazer registros?
Gisa Picosque fala sobre a importância de fazer registros e sua arte
 

 

Postado em Registros e Documentação e tags , , , , , . Marcado com permalink.

4 Comentários para Um roteiro para começar registro e planejamento – parte 2

  1. zenaide aparecida alves santana silva diz:

    Meu Deus !!A cada leitura feita me identifico cada vez mais e vejo que estou no caminho certo da minha formação continuada e do meu crescimento como professora e coordenação pedagógica !

  2. Adriana diz:

    Conteúdo me ajudou a refletir sobre questões que indagava, estou conhecendo o método agora e estava completamente perdida com as inovações, pois a mente muito fechada. Ainda bem que temos sites como o de vocês.
    Obrigada pela ajuda de todos que contribui para o site.

  3. Simeia diz:

    Muito bom! Tudo o que eu precisava para complementar minha prática. Gratidão!

  4. driéli diz:

    adorei…sujestões muito válidas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *