Planejamento na Educação Infantil e as datas comemorativas

A dúvida de uma seguidora do Blog sobre o texto elaborado pela educadora Ana Helena para a nossa seção Palavra de…, nos levou a desenvolver este post. Em seu texto, Ana Helena aborda a experiência da Creche Oeste da Universidade São Paulo sobre as datas comemorativas tradicionais como conteúdo de planejamento na Educação Infantil e reflete sobre o que elas realmente significam para as crianças.

seta horizontalComecemos pelo protagonismo da criança no currículo da creche.                                                                   O que é isso de fato?

A abordagem de Reggio Emilia (um conjunto de escolas no norte da Itália) para educação da primeira infância, referência para a pedagogia atual, pode iniciar esta discussão.

Nestas escolas italianas, a criança “é um sujeito único com direitos, em vez de simplesmente com necessidades”. Por isso, todo o trabalho educativo parte das crianças e daquilo que o professor percebe e colhe nas atividades do dia da creche.

Segundo seus educadores, as crianças “não desejam apenas receber, mas também querem oferecer”. E assim, fala-se sobre “uma abordagem (dos professores) baseada em ouvir ao invés de falar, em que a dúvida e a fascinação (das crianças) são fatores bem vindos”. Desse modo, as crianças são vistas e valorizadas na sua função de “detetives” do mundo: “é uma abordagem na qual a importância do inesperado e do possível é reconhecida, um enfoque no qual os educadores sabem como “desperdiçar” o tempo”, e dar às crianças possibilidades de pesquisa e aprofundamento naquilo que realmente lhes interessa, com o seu ritmo e na sua essência brincante.

A tarefa do professor, então, “não é simplesmente satisfazer ou responder perguntas, mas, em vez disso, ajudar as crianças a descobrirem respostas (para as SUAS perguntas) e, mais importante ainda, ajudá-las a se fazerem perguntas, a encontrarem questões interessantes para experimentarem a pesquisa.

Por isso, no planejamento da educação infantil de Reggio Emilia, se fala em preparação e organização:

  • dos espaços,
  • dos materiais,
  • dos pensamentos,
  • das situações e
  • das ocasiões para a aprendizagem

Sendo todas estas ações voltadas a responder as perguntas que as próprias crianças se fazem. Ou, para melhor dizer, são ações desenvolvidas pelo professor para viabilizar os projetos propostos pelas crianças.

seta horizontalRetomando a questão inicial e as tradicionais comemorações que as creches e pré-escolas, desenvolvem ano após ano:

desenho de criança para o post planejamento de datas comemorativasSerá que o Dia das Mães é entendido e “desejado” pelas crianças como projeto de educação da mesma maneira que nós, adultos, pretendemos?

O que uma criança de um ou dois anos compreende disso?

– “Só um dia para a minha mamãe??? Para mim, a minha mamãe merece presentes e homenagens todos os dias!”

Então, pela abordagem de Reggio Emilia, o tão afamado Dia das Mães, dos Pais, da Árvore, da Pátria podem existir como projetos de trabalho se surgirem a partir do interesse e da indagação das próprias crianças.

Mas e a Festa Junina, a Festa do Boi Bumbá e outras comemorações tradicionais das comunidades?

Elas devem ser construídas para serem cultuadas como tradição da própria instituição, assim como um ritual. A memória (fotos, filmes, objetos usados etc.) destas ocasiões deve ser trabalhada com as crianças. As histórias e explicações devem ser contadas e recontadas e a preparação para os eventos precisa incluir os pequenos. Isso faz da comemoração algo significativo para as crianças que entenderão e se interessarão por todos os detalhes.

E para quê?

Por serem significativos, esses processos se constituirão em desenvolvimento e APRENDIZADO, atendendo aos objetivos fundamentais das instituições de educação infantil:

garantir à criança acesso a processos de apropriação, renovação e articulação de conhecimentos e aprendizagens de diferentes linguagens” (Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil, MEC, 2010)

Balão Para Saber Mais

Leia:
Datas comemorativas: muito além das festas 
Tânia Fulkemann Landau fala da importância das manifestações culturais na formação da criança
Projetos e temas: um convite à aventura
Ana Helena fala sobre as datas comemorativas na creche
Festa Junina: oportunidade de trabalhar com os educadores

barrinha colorida fininha

 

livros Cem linguagens e Quintal Mágico no post planejamento de datas comemorativas As Cem Linguagens da Criança – A Abordagem de Reggio Emilia na Educação da Primeira Infância. Carolyn Edwards, Lella Gandini e George Forman. Editora Artmed, 1999.

De volta ao Quintal Mágico – A educação infantile na Te-Arte. Dulcilia Schroeder Buitoni. Editora Ágora, 2006.

capa diretrizes no post planejamento de datas comemorativasDiretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil, MEC, 2009

Postado em Coordenação e Gestão, Manifestações Culturais e tags , , , , , , . Marcado com permalink.

10 Comentários para Planejamento na Educação Infantil e as datas comemorativas

  1. Marcela diz:

    Gostei muito da matéria, mas minha duvida continua: Reggio Emilia não comemora o dia do índio, por exemplo?

    • Olá Marcela!
      Veja bem, o que está por trás das datas comemorativas na Educação Infantil é o contexto cultural da comunidade escolar que, consequentemente imprime significados nas crianças. Mas estou passando sua dúvida para a Taís Romero estudiosa de Reggio e também conhecedora da pedagogia desenvolvida na escola argentina Jardín Fabulinus, inspirada em Reggio Emilia.
      Abraços!

  2. Erica diz:

    Bom saber que é importante as datas comemorativas na formação das crianças. É cultura!

  3. inespinto diz:

    acho que depois de muita pesquisa achei o que realmente me interessa

  4. cintia diz:

    Muito xouuuuu

  5. maria miranda diz:

    as matéria são muito boas, e pra mim de grande ajuda uma vez que trabalho com educação infantil, estou anotando idéias para o próximo ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *